Campo Grande •27 de Abril de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da redação | Segunda, 19 de Setembro de 2016 - 13h16Governador de SP pesquisadores de MS em reunião sobre vacina contra dengueTestes já começaram em 10 centros de pesquisa e envolverão 17 mil voluntários

(Foto: Divulgação)

O governador Geraldo Alckmin participou nesta segunda-feira (19) de reunião com pesquisadores dos 14 centros de pesquisa que estão conduzindo os testes clínicos da vacina contra a dengue em todo o país. Representantes da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul estiveram presentes. No evento, Alckmin apresentou o cronograma de início dos testes clínicos da primeira vacina brasileira contra a dengue em mais quatro estados do país.
 
“Hoje estamos enfrentando este grande desafio, são anos de estudo. Última fase da 1° vacina do mundo tetravalente com dose única e contra quatro tipos de vírus, com altíssimo índice de proteção. Estamos muito otimistas”, comemorou o governador.
 
Os ensaios clínicos comandados pelo Instituto Butantan, unidade da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo e um dos maiores centros de pesquisa biomédica do mundo, começam no dia 5 de outubro em Brasília (DF) e Cuiabá (MT) e no dia 19 de outubro em Recife (PE) e Belo Horizonte (MG). 
 
Os testes já começaram em 10 centros de pesquisa e envolverão 17 mil voluntários em 13 cidades nas cinco regiões do Brasil (confira abaixo a relação dos centros de pesquisa).
 
São convidadas a participar do estudo pessoas saudáveis, que já tiveram ou não dengue em algum momento da vida e que se enquadrem em três faixas etárias: 2 a 6 anos, 7 a 17 anos e 18 a 59 anos.  Os participantes do estudo são acompanhados pela equipe médica por um período de cinco anos para verificar a eficácia da proteção oferecida pela vacina.
 
A vacina do Butantan, desenvolvida em parceria com os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês), é produzida com vírus vivos, mas geneticamente atenuados, isto é, enfraquecidos. “Com os vírus vivos, a resposta imunológica tende a ser mais forte, mas, como estão enfraquecidos, eles não têm potencial para provocar a doença. A vacina deve proteger contra os quatro sorotipos da dengue com uma única dose”, explica o diretor do Instituto Butantan, Jorge Kalil.
 
Nesta última etapa da pesquisa, os estudos visam comprovar a eficácia da vacina. Do total de voluntários, 2/3 receberão a vacina e 1/3 receberá placebo, uma substância com as mesmas características da vacina, mas sem os vírus, ou seja, sem efeito. Nem a equipe médica nem o participante saberão quais voluntários receberam a vacina e quais receberam o placebo. O objetivo é descobrir, mais à frente, a partir de exames coletados dos voluntários, se quem tomou a vacina ficou protegido e quem tomou o placebo contraiu a doença.
 
Os dados disponíveis até agora das duas primeiras fases indicam que a vacina é segura, que induz o organismo a produzir anticorpos de maneira equilibrada contra os quatro vírus da dengue e que é potencialmente eficaz.
 
Nova fábrica -  A futura fábrica de vacinas do Instituto Butantan possuirá uma ampla plataforma de produção, que poderá incluir vacinas contra a raiva, dengue e zika vírus, entre outras.
 
A fábrica possui 3 mil m² e foi planejada para a produção de ate 100 milhões de doses de produto concentrado (bulk) e até 30 milhões de doses de vacina contra a dengue por ano. A unidade realizará todas as etapas de produção de uma vacina: produção viral em célula, purificação, filtração, formulação, envase, liofilização e embalagem.
 
Os investimentos na nova planta são de R$ 110 milhões, com financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES).
 
Histórico da vacina contra a dengue
Em 2008, o Instituto Butantan firmou parceria de colaboração com o NIH, passando a desenvolver, no Brasil, uma vacina similar a uma das estudadas pelo instituto americano, composta pelos quatro tipos de vírus da dengue.
 
Um dos grandes avanços do Butantan no desenvolvimento da vacina foi a formulação liofilizada (em pó), que garante a estabilidade necessária para manter os vírus vivos em temperaturas não tão frias, permitindo seu armazenamento em sistemas de refrigeração comum, como geladeiras, além de aumentar o período de validade da vacina (um ano).
 
Nas etapas anteriores, a vacina foi testada em 900 pessoas: 600 na primeira fase de testes clínicos, realizada nos Estados Unidos pelo NIH, e 300 na segunda etapa, realizada na cidade de São Paulo em parceria com a Faculdade de Medicina da USP (através do Hospital das Clínicas e do Instituto da Criança) e com o Instituto Adolfo Lutz.
 
Ter a vacina desenvolvida e produzida por um produtor público nacional é uma vantagem competitiva para o Brasil, pois garante a disponibilidade do produto, permitindo a autossuficiência produtiva, além de garantir preços mais acessíveis.

Veja Também
Manifestação pública em Dourados será às 15h na área central
Prefeitura prepara retomada de drenagem na Cidade Morena
Uber deverá pagar R$ 0,10 por km rodado na Capital
Dentistas avaliam alunos da escola pública para tratamento gratuito
Quinta, 27 de Abril de 2017 - 12h20​CCR MSVia implanta pare-e-siga na BR-163/MS Todos os locais estão sinalizados
Quinta, 27 de Abril de 2017 - 11h44TCU vai analisar possíveis irregularidades em negócios do BNDES com a JBS Cada ação valia R$ 7,65, mas o BNDES pagou R$ 8,15 por cada papel
Bairros de Campo Grande vão receber atendimento móvel com dicas para quem deseja empreender
MS é o único estado do Brasil que gerou saldo positivo de empregos no último ano
Governo lança licitações de R$ 25,7 mi e MS-450 será contemplada com pavimentação
Quinta, 27 de Abril de 2017 - 08h50Roubo de celulares com seguro aumenta de 60% entre 2015 e 2016 Celulares e smartphones são um fenômeno mundial e constituem patrimônio de alto risco
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - cirurgia.net
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento