Menu
19 de dezembro de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Mega Banner Pátio Central - Natal
Nacional

Funai quer apoio do Congresso para recuperar orçamento

Segundo presidente, além de aumentar o orçamento, a fundação precisa contratar mais servidores

16 Abr2018Agência Brasil19h11

A Fundação Nacional do Índio (Funai) precisará, no mínimo, dobrar seu orçamento para conseguir atender suas demandas, afirmou hoje (16) o presidente do órgão, Franklimberg Ribeiro Freitas. Segundo ele, além de aumentar o orçamento, a fundação precisa contratar mais servidores.

“Já tivemos orçamentos anuais de R$ 180 milhões e de R$ 170 milhões. No ano passado (2017), esses valores caíram para cerca de R$ 100 milhões. Precisamos, no mínimo, dobrar esse orçamento”, disse o general Franklimberg à Agência Brasil, após participar da abertura da programação especial da Semana do Índio, que ocorreu no Ministério da Justiça. “Para 2018 é praticamente impossível [aumentar esses valores], porque o orçamento já está fechado, devido ao teto de gastos”, acrescentou.

De acordo com o general, que é de origem indígena, para contornar as limitações impostas pelo teto de gastos públicos será necessária a ajuda do Congresso Nacional. “Cabe ao Congresso ampliar o orçamento. As tratativas nesse sentido já foram iniciadas”, disse Franklimberg.

Outra limitação que preocupa o presidente do órgão indigenista é a falta de servidores. “Para se ter uma ideia, segundo o censo de 1990, havia, na época, 300 mil índios no Brasil, e 4,5 mil servidores da Funai. Hoje, há praticamente 1 milhão de índios e apenas 2,3 mil servidores. Isso mostra que a demanda de ações da Funai está maior, e que a quantidade de servidores reduziu”, explicou Franklimberg. Segundo ele, recentemente foram contratados 220 servidores.

“O braço de apoio da Funai aos índios está nas 37 coordenações regionais e nas mais de 250 coordenações técnicas locais. Nossa capilaridade é grande. Por isso precisamos de pessoal”, argumentou, após entregar ao ministro da Justiça, Torquato Jardim, a medalha Ordem do Mèrito Indigenista, concedida a servidores que se destacam no apoio aos povos indígenas

A entrega da medalha ao ministro foi criticada pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi). Segundo o secretário adjunto do Cimi, Gilberto Vieira, desde que assumiu o cargo, o ministro Torquato Jardim "tem se manifestado e agido de forma a barrar o reconhecimento e, principalmente, a demarcação [de terras] para os povos indígenas".

Semana do Índio - Durante o evento de abertura, no Palácio da Justiça, o maestro violinista indígena Robson Miguel executou o hino nacional cantado na língua guarani. O ministro da Justiça recebeu painel que vai compor a exposição no ministério, feito pelo fotógrafo Sebastião Salgado, e foram projetados vídeos de temáticas indígenas. Também ocorreram apresentações de canto e de dança.

Entre os dias 16 e 25 de abril, o Ministério da Justiça e a Funai trazem programação especial que pode ser vista no edifício sede da pasta, na Esplanada dos Ministérios.

Veja Também

Bolsonaro criará conselho interministerial para conflitos de terras
CNJ aprova novo auxílio-moradia de até R$ 4.377,73 para magistrados
MPF obriga DNIT a adotar medidas de proteção à fauna pantaneira
Estudo indica que zika pode provocar infertilidade em homens
Inep: quase 300 instituições têm 'nota baixa' de qualidade
Ex-sargento da PM sofre nova condenação
Asilo de Battisti teve motivação político-partidária, diz Sérgio Moro
Resolução define plano de trabalho para agentes de saúde
Confira a escala dos postos de saúde nesta terça-feira
Ato incineratório Defron vai queimar 6.540 kg de drogas Material que será incinerado é produto de apreensões feitas durante o ano