Menu
21 de setembro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Paratletismo

Flávia de Lima: uma campeã na vida

Jovem nasceu com paralisia cerebral e, no esporte, que encontrou forças para vencer desafios

14 Jul2019Byanca Santos - Especial para o Diário Digital17h11
(Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

A jovem Flávia de Lima de 21 anos tem mostrado força, agilidade e superação por onde passa. Com paralisia cerebral e deficiência nas pernas e pés, desde muito cedo apreendeu a lidar com as dificuldades e tem se tornado uma campeã na vida.

Flávia nasceu com paralisia cerebral e motora e na escola conheceu o esporte, e foi nele que encontrou força para vencer desafios. A jovem atleta já praticou dardo, peso e hoje ela treina paratletismo num esporte conhecido como Petra, onde se utiliza uma espécie de “bicicleta”, tipo um triciclo e desde o final de 2017 já tem diversas vitórias.

A atleta, que faz parte do clube Seninha tem uma rotina como a de toda jovem. Flávia estuda na Apae, faz academia, teatro e treina para as competições. E em todas disputas que participou subiu ao pódio, ficando sempre entre o 1º e 2º lugar.

Sonhando com ela - A mãe Elisângela Melhado, é a principal incentivadora da jovem atleta. Quando Flávia nasceu com paralisia cerebral, Elisângela lutou para dar a melhor qualidade de vida para ela, desistindo dos seus sonhos para viver o da jovem.

A treinadora Andréa Cavalcante também é uma grande apoiadora da atleta. A mãe lembra que a treinadora acompanha a jovem desde muito cedo e no início da Petra, Andréa emprestou uma bicicleta para Flávia treinar.

Elisângela percebeu que o esporte ajudou a filha a amadurecer. “O esporte muda a pessoa e a fisioterapia da Flávia é na bicicleta. Nós não temos uma sementinha e como mãe tenho que preparar ela para o mundo”, ressalta a mãe.

De acordo com a mãe os pais que tem filhos com algum tipo de deficiência protegem eles, tornando os pais mais deficientes do que os próprios filhos. “Eles conseguem. Alguma coisa eles conseguem fazer, eles tem capacidade”, disse Elisângela.

Dona do recorde brasileiro nos 100M feminino e no ranking mundial da modalidade com Petra está em 5º lugar. A atleta já tem mais de 15 medalhas conquistadas e em agosto Flávia irá para uma competição nacional e, se conseguir baixar seu tempo, disputará a modalidade no final do ano em Dubai, representando o Mato Grosso do Sul.

 

Veja Também

Unidade do Fort Atacadista comemora aniversário com ofertas
Em prol do Dia da Árvore loja distribui mudas em Dourados
Polícia Militar Ambiental resgata gambá de incêndio na Capital
Campanha Setembro Verde une áreas da saúde e das artes no MARCO
Loja de Campo Grande realiza desfile em prol das onças pintadas
Capital tem chuva rápida em várias regiões
Deputado Eduardo Rocha solicita melhorias na BR-262
Influenciadores são entrevistados na Rede MS
Capital recebe melhor conceito em turismo
Secretaria de Saúde divulgada horário de funcionamento de unidades vinculadas