Menu
23 de setembro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Ciência

Fiocruz mapeia genética de arbovírus em três cidades de MS

Motorhome equipado com um laboratório móvel usa nova tecnologia para realizar o sequenciamento genético dos vírus

22 Mai2019Da redação15h16

Desde o último dia 13 de maio, pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e de instituições nacionais estão percorrendo cidades em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiânia e Distrito Federal a bordo de um ônibus (“motorhome”), equipado com um laboratório móvel, que utiliza uma nova tecnologia para realizar o sequenciamento genético do Zika e outros arbovírus no Brasil.

Os especialistas chegaram e permaneceram durante o dia 16 de maio em Coxim e estiveram de 17 a 20 de maio no Lacen (Laboratório Central) em Campo Grande. Nesta terça-feira (21.05) seguiram para Chapadão do Sul, onde dão continuidade a coleta e análise de mosquitos.

Em Campo Grande, a Secretaria de Estado de Saúde acompanhou os trabalhos no Lacen e na terça-feira (21.05) o secretário Geraldo Resende foi conhecer de perto o projeto. “De nossa parte, a Fiocruz tem todo o apoio para que possamos, com a adoção de diversas tecnologias, dotar o país de ferramentas mais eficazes de combate às doenças causadas por arbovírus, como a dengue, dengue, zika, chikungunya, febre amarela, mayaro e outras”.

O Zibra - O grupo de especialistas que percorre Mato Grosso do Sul e outras cidades do país, cerca de 12 mil quilômetros de estrada, integra o projeto Zibra 2: Mapeamento genético do Zika e outros arbovírus no Brasil. A iniciativa tem financiamento do Departamento de Ciência e Tecnologia (Decit) e da Secretaria de Vigilância e Saúde (SVS), ambos do Ministério da Saúde, da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Os pesquisadores têm como meta sequenciar cerca de 400 amostras que foram positivas para pelo menos um dos oito vírus transmitidos por mosquitos mais relevantes na região: dengue, zika, chikungunya, febre amarela, mayaro, oropuche, encefalite de São Luis e febre do oeste do Nilo.

“Por meio do sequenciamento genético, será possível responder perguntas relevantes para o Sistema Único de Saúde (SUS), como a origem dos vírus, data provável de entrada em território brasileiro, rota e velocidade de expansão, linhagem viral e cálculo do risco de transmissibilidade”, explica Luiz Alcantara, pesquisador do Laboratório de Flavivírus do IOC e líder da pesquisa.

Em uma segunda frente de atividades, o projeto sequencia amostras estocadas nos Laboratórios e foram negativas para os oito vírus priorizados na iniciativa. Cerca de 400 amostras podem ser sequenciadas a partir da utilização da técnica conhecida como metagenômica. “Muitos quadros clínicos são finalizados sem a devida identificação de seu agente causador, o que gera uma lacuna para a vigilância em saúde brasileira. Pretendemos, assim, identificar o microrganismo por trás daquela infecção e trazer mais essa importante contribuição para as ações de prevenção e controle de doenças de relevância nacional”, comenta Marta Giovanetti, pesquisadora integrante da equipe.

Na terceira frente de trabalho, mosquitos estão sendo capturados por armadilhas espalhadas em residências e locais públicos das cidades alvo da pesquisa. “Estamos coletando e analisando mosquitos de diferentes espécies, incluindo dos gêneros Aedes e Culex [popularmente conhecido como pernilongo]. Com isso, poderemos avaliar a porcentagem de mosquitos infectados no período e os patógenos virais envolvidos”, afirma Luiz Alcantara.

O projeto conta com 13 especialistas, incluindo pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Instituto Evandro Chagas (IEC), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade de São Paulo (USP), Universidade de Birmingham e Universidade de Oxford, ambas da Inglaterra, Universidade de KwaZulu-Natal, da África do Sul, Lacen de Minas Gerais, Instituto Leônidas e Maria Deane (Fiocruz Manaus) e Hemocentro de Ribeirão Preto.

Veja Também

Governo sanciona lei que facilita renegociação de dívidas com Agehab
Pecuaristas são multados em R$ 104 mil por desmatamentos ilegais
Confira escala médica nas UPAs e CRSs para este domingo
Governo vai pavimentar rodovia que liga Norte do MS ao Pantanal e Bonito
Digital influencer leva curso de marketing digital e ensina sobre moda na periferia
Decreto institui grupo para cobrar inscritos na dívida ativa
MS sedia evento regional de internet e tecnologia
Descubra alguns hábitos que interferem na saúde dos dentes
Pesquisas indicam ingestão de microplásticos por humanos
Cliente fidelizado pode se tornar porta-voz do negócio