Menu
18 de junho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Procon

Farmácias da Capital são alvos de fiscalização

Foco é verificar preços, armazenamento e venda de remédios controlados

29 Jun2017Da redação17h20

 A Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon/MS), ligada à Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), em parceria com o Conselho Regional de Farmácia de Mato Grosso do Sul (CRF/MS) e com a Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo (Decon), iniciou a fiscalização de farmácias na Capital.

Nesta manhã, três estabelecimentos de diferentes redes foram alvo da vistoria. O foco da operação é verificar divergências de preços, condições de armazenamento de medicamentos, venda de remédios controlados, documentos vencidos e precificação (definição do valor do produto ou serviço). A fiscalização do Conselho Regional de Farmácia verifica a presença do responsável técnico e a documentação.

Em dois estabelecimentos, dos itens coletados na amostragem, foram verificadas diferenças em torno de 10% entre os preços dos produtos expostos nas prateleiras com os registrados nos caixas. Também foram constatados 24 itens vencidos expostos à venda, entre fraldas geriátricas, salgadinhos, refrigerantes, três pomadas anti-inflamatórias, suplementos alimentares e uma unidade de alimento nutricional destinado a crianças. Os produtos vencidos foram descartados na presença dos fiscais.

O superintendente do Procon/MS, Marcelo Salomão, acompanhou a operação durante a manhã e orientou os estabelecimentos quanto à importância da precificação adequada. Em algumas gôndolas foi verificada ausência de etiquetas de preços. De acordo com o Código de Defesa do Consumidor (CDC), deve ser assegurado ao consumidor o direito de informação adequada e clara sobre os diferentes produtos.

Uso e descarte racional de medicamentos

O Procon alerta os consumidores quanto à importância de também verificar a data de validade dos medicamentos guardados nas residências. O Procon orienta os consumidores a procurarem pontos de coleta nas farmácias que realizam o descarte ambientalmente correto desses medicamentos vencidos, destinados à incineração. Medicamentos vencidos não podem ser descartados no lixo comum ou nas redes de esgoto devido aos riscos para o meio ambiente, de contaminação da água, solo, dos animais e para a saúde pública.

Como denunciar

O Procon Estadual disponibiliza o número 151, por meio do qual os consumidores podem denunciar, além de produtos vencidos expostos à venda, ausência de preços na vitrine, demora na fila de banco e outras lesões nas relações de consumo que demandam fiscalização.

Veja Também

Prefeitura entrega cobertores para famílias carentes da Capital
Seja Digital intensifica agendamentos nos CRAS  a partir de segunda
Entidades de classe defendem Plano Diretor da Capital
Comissão aprova vacinação obrigatória e gratuita contra leishmaniose
Curso orienta sobre alimentação e não desperdício de alimentos
Limpeza em lagoa resulta na retirada de 50 sacos de lixo
Incêndio destrói depósito de recicláveis
Portugal libera uso da maconha para fins medicinais
Médico lança 'Dicionário de Saúde e Segurança do Trabalhador'
Obras e projetos anunciados para a Capital