Menu
24 de setembro de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Segov- Campanha Semana Nacional do Trânsito
Investigação

Ex-secretário-geral da Fifa nega ter recebido propina do presidente do PSG

Segundo Valcke, caso investigado "não corresponde à realidade", pois "nunca" trocou nada com Al-Khelaïfi

13 Out2017Da Agência Brasil11h28

O ex-secretário-geral da Fifa Jerome Valcke negou ter recebido propinas do presidente do Paris Saint-Germain (PSG) e responsável pela emissora de TV Bein Sports, Nasser Al-Khelaïfi, para adquirir os direitos de transmissão de duas edições da Copa do Mundo. As informações são da agência de notícias EFE.

"Existe um processo onde sou acusado de ter me beneficiado, especialmente da parte de Al-Khelaïfi, para conceder os direitos de transmissão abaixo do valor de mercado no Oriente Médio. Quero simplesmente dizer que não é verdade. Nunca recebi nada em recompensa de outra coisa", disse Valcke, em entrevista publicada nesta sexta-feira pelo jornal francês L'Équipe.

As declarações do ex-dirigente da Fifa, suspenso por 10 anos por suposto envolvimento na venda de ingressos para os mundiais acima do preço oficial, foram feitas um dia depois de uma operação de buscas realizada na sede parisiense da Bein Sports, dirigida por Al-Khelaïfi, por ordem da Promotoria Nacional Financeira da França. As operações foram organizadas em coordenação com o Ministério Público da Suíça, que comunicou a abertura de processos criminais contra o presidente do PSG, Jerome Valcke e uma terceira pessoa não identificada.

A ação é um desdobramento da investigação desencadeada na Suíça sobre possíveis ilegalidades praticadas pelo ex-secretário-geral da Fifa, que é suspeito de ter aceitado subornos durante a definição da venda dos direitos de transmissão pela televisão dos jogos das Copas de 2018, 2022, 2026 e 2030. Al-Khelaifi teria relação com propinas envolvendo as negociações referentes aos campeonatos mundiais de 2026 e 2030.

Al-Khelaïfi e Valcke estão sendo investigados por corrupção, gestão desleal e fraude, junto a um "homem de negócios ativos na área dos direitos esportivos", segundo a Promotoria suíça.

Segundo Valcke, o caso investigado "não corresponde à realidade", pois "nunca" trocou nada com Al-Khelaïfi.

Veja Também

População de rua deve ficar fora do Censo 2020
Doação de órgãos é tema de evento do HU-UFGD na próxima semana
Aposta mineira fatura bolada sozinha
Projeto garante direito de criança visitar pais internados em hospital
Projeto dá prazo para hospitais notificarem violência contra mulher
Inscrições para Casamento Civil Comunitário vão até 28 de setembro
Estágio após conclusão do curso de Direito pode ser limitado a dois anos
Horário de verão pode ser proibido em todo o País
Após 46 anos, casal oficializa união na Carreta da Justiça
Multas por uso de celular ao volante crescem 33% em 2018