Menu
23 de junho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mato Grosso do Sul

Estudos sobre a Rota Bioceânica serão realizados pelo Crie-MS

Universidades que formam o Crie-MS são responsáveis pela formação de mais de 13 mil pessoas por ano, em MS

24 Ago2017Da redação07h40

Uma das primeiras ações do Conselho de Reitores de Mato Grosso do Sul (Crie-MS) é a integração de pesquisas sobre o impacto da Rota Bioceânica que liga Mato Grosso do Sul ao Oceano Pacífico.

No fim de 2016, quando a Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) foi apresentada como coordenadora da Rede Universitária Bioceânica, as demais Instituições de Ensino Superior de MS foram convidadas a integrar a Rede e cooperar com as pesquisas. Entre os assuntos pesquisados estão o impacto ambiental e econômico da Rota no Brasil, no trajeto entre Campo Grande e Porto Murtinho.

Para o Reitor da UEMS, e presidente do Crie-MS, professor doutor Fábio Edir dos Santos Costa, a instituição do Conselho, que aconteceu na última segunda-feira (21.8), na Assembleia Legislativa, reforça o trabalho conjunto das Instituições de Ensino Superior. “A primeira ação conjunta das Universidades são os estudos da Rota de Integração Latino Americana (RILA), que ocorrem junto ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Esse já é o nosso primeiro projeto de internacionalização”, comentou o reitor da UEMS.

Segundo o professor Roberto Paixão, um dos representantes da UEMS na Rede Universitária Bioceânica, os estudos estão avançados e contam com a participação de pesquisadores das Universidades que compõem o Crie-MS. “As Universidades que compõem o Crie-MS estão inseridas na Rede Universitária Bioceânica, reunindo professores de diversas áreas para auxiliar o Dnit na instalação da ponte sobre o Rio Paraguai. Hoje esse grupo está realizando estudos preliminares, em seguida serão realizados dos estudos de instalação e operação da ponte”, explicou o Roberto Paixão.

CRIE- MS

O Conselho de Reitores de Mato Grosso do Sul (Crie-MS) é formado pelo professor Fábio Edir dos Santos Costa, reitor da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), professor Marcelo Turine, reitor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), professora Leocádia Aglaé Petry Leme, reitora da Universidade Anhanguera/Uniderp, padre Ricardo Carlos, reitor da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), professora Liane Maria Calarge, reitora da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e Luiz Simão Staszczak, reitor do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS).

As Universidades que formam o Crie-MS são responsáveis pela formação de mais de 13 mil pessoas por ano, em MS. Segundo dados do Censo 2015/16, as universidades reúnem mais de 100 mil pessoas, entre acadêmicos, professores, técnicos e funcionários. Todas essas pessoas envolvidas representam o segundo maior PIB de Mato Grosso do Sul, perdendo apenas de Campo Grande. As ações do Crie-MS serão em torno de seus eixos de atuação com as seguintes temáticas: 1. Ciências, tecnologia e inovação; 2. Turismo e cultura; 3. Internacionalização e mobilidade e 4. Excelência em educação.

Expedição da Rota Bioceânica

No próximo dia 25 de agosto, uma caravana com autoridades, pesquisadores e empresários brasileiros sai de Campo Grande para percorrer a Rota Bioceânica passando pela Bolívia, Paraguai, Argentina, Uruguai e Chile.

Além de pesquisadores da UEMS, estarão presentes representantes da Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logistica de MS (Setlog), do Dnit, Sebrae-MS e o ministro da carreira diplomática do Ministério das Relações Exteriores, João Carlos Parkinson de Castro.

A caravana deve percorrer as cidades brasileiras de Campo Grande e Porto Murtinho, no Mato Grosso do Sul, as localidades paraguaias de Carmelo Peralta, Mariscal Estigarribia e Pozo Hondo, as cidades argentinas de Misión La Paz, Tartagal, Jujuy e Salta, e a localidade de Mejillones, em Iquique, no Chile.

Veja Também