Menu
15 de outubro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Meio Ambiente

Escoteiros recolhem lixo em parque da Capital

Jovens se dedicaram aos trabalhos de limpeza na mata, plantio de grama e pintura no Anhanduí

29 Jun2019Valdelice Bonifácio17h38
Mariana Carolina Córdoba, 10, é escoteira há apenas dois meses (Foto: Gabriel Torres)
  • Pedro Arthur Rech Martins, de 15 anos, trabalhou na coleta de lixo no parque
  • Mariana Carolina Córdoba, 10, é escoteira há apenas dois meses (Foto: Gabriel Torres)
  • Escoteiros trabalharam em grupos na coleta do lixo (Foto: Gabriel Torres)
  • Juber de Jesus, diretor do Atalaia do Pantanal (Foto: Gabriel Torres)
  • Escoteiros fizeram serviço de plantio de grama (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)
  • (Foto: Gabriel Torres)

Jovens, conscientes e dispostos a ajudar o meio-ambiente. Assim podem ser definidos os integrantes do Grupo Escoteiro Atalaia do Pantanal que dedicaram a tarde deste sábado, 29 de Junho, ao trabalho de coleta de lixo, plantio de grama e pintura no meio-fio do Parque Ecológico Anhanduí, na região do Aero Rancho, em Campo Grande.

A atividade chamada de Muteco – Mutirão Ecológico -- é nacional do Movimento Escoteiro. Porém, cada grupo define uma data própria. A ação deste sábado, atraiu 75 jovens escoteiros e outros 15 adultos, todos engajados na preservação do parque e em trabalhos de educação ambiental, como a panfletagem, realizada após a limpeza, pedindo o fim das queimadas no entorno do Anhanduí.

O diretor presidente do grupo, Juber de Jesus Severino, estima que nesta ação tenham sido recolhidos cerca de 50 quilos de lixo nas matas do parque. “Aqui tem um pouco de tudo, plásticos, papéis, pedaços de vidro e outros. A situação era pior antes de cercarem o parque”, comenta. Os escoteiros trabalharam em grupos e, com luvas nas mãos, recolheram os materiais descartados de forma errada por frequentadores do parque.

Escoteiro há seis anos, Pedro Arthur Rech Martins, 15, explica porque aderiu a causa: “É muito importante trabalharmos na limpeza. Temos que preservar o ambiente dos animais e a água também”, salienta. Já Mariana Carolina Córdoba, 10, é escoteira há apenas dois meses. “Esta é a minha primeira vez em uma atividade no grupo. Estou feliz em ajudar na limpeza. Quero participar outras vezes”, planeja.

Quem também estava vivendo a sensação de cumprimento de dever durante as atividades era o escoteiro Danilo Vicente, 16. Ele trabalhou na pintura do meio-fio. “Entrei no grupo há sete anos. Meus amigos me chamaram. Eu gostei da atividade e estou aqui até hoje. Fico satisfeito em cuidar do parque. Isso é bom para o meio-ambiente é bom para todos”, enaltece.

O grupo que é filiado à União dos Escoteiros do Brasil mantém sede dentro do parque onde ministra palestras e desenvolve várias ações. Outras atividades já estão programadas para o próximo semestre.

Tornar-se um escoteiro está ao alcance de qualquer criança, garante Juber de Jesus. “É só ter vontade e nos procurar que explicamos tudo.” O grupo juvenil do Atalaia do Pantanal tem 98 integrantes com idade entre seis anos e meio e 21 anos. Já o grupo adulto tem 27 membros. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone: 99250-1791.

Veja Também

Obra começa e moradores de rua deixam viaduto
Carreta da Justiça Itinerante atende sul do Estado
Pescador salva onça presa em anzol de galho no rio Miranda
Ave silvestre é abandonada e PMA orienta sobre devolução espontânea
Governo Federal modifica regras para deportação de estrangeiros
Acidente Mecânico tem lesões graves após choque elétrico Acidente aconteceu quando vítima subiu no telhado da oficina
UEMS promove ações sustentáveis na  Semana Lixo Zero
Confira escala médica nas UPAs e CRSs nesta segunda-feira
Guarda Municipal recolhe modelos de espingardas que causaram morte de homem
Parceria vai agilizar atendimento às famílias de vítimas de morte natural