Campo Grande •18 de Janeiro de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Dayene Paz | Quinta, 13 de Outubro de 2016 - 11h20'A escola mudou nossa relação dentro de casa', dizem paisEscola trabalha na interação com pais e é reconhecida nacionalmente

Um novo método de educar, interagindo escola, pais e alunos. É assim que a escola Amarelinha, que fica no bairro Mata do Jacinto, trabalha
Um novo método de educar, interagindo escola, pais e alunos. É assim que a escola Amarelinha, que fica no bairro Mata do Jacinto, trabalha (Foto: Luciano Muta)

“Mudou até nossa relação dentro de casa”. Essa é a afirmação da jornalista Sulene Bandeira, que há um ano teve a vida familiar completamente mudada, após matricular as filhas em uma escola do bairro Mata do Jacinto. Um novo método de educar, interagindo escola, pais e alunos. É assim que a escola Amarelinha trabalha. O método de ensino é simples: Levar a família para dentro da escola. “Isso vem nos unindo cada dia mais”, diz Sulene.

“Queremos trazer a família para dentro da escola, buscar os valores e fazer com que eles saiam do mundo virtual, vivendo o mundo real”, afirma a coordenadora da escola, Walkiria Rohwedder. 

A escola Amarelinha trabalha com a chamada ‘Escola da inteligência’, do Dr Augusto Cury, que busca, basicamente, levar os pais para dentro da escola, fazer com que eles tenham, também, os 'deveres de casa'. “É fazer com que eles participem da vida dos filhos, mesmo tendo as dificuldades e a correria, sempre estejam atentos. A escola da inteligência tem encontros mensais, onde os pais também saem com atividades para desenvolver junto com os filhos”, explica a psicóloga da escola, Michele Shiraishi.

A escola da Inteligência trabalha o emocional e social, para que a família desenvolva pensamento crítico e gerencie suas emoções. “A criança, ou adolescente é preparado para desafios acadêmicos e também da vida, mercado de trabalho e relações pessoais”. Dados apontam que 96% dos alunos apresentam melhora na habilidade de controlar a estima, ansiedade e timidez; 93% dos professores afirmam que alunos melhoraram comportamento e atitude e 91% apresentaram melhora no desenvolvimento cognitivo.

“Aprendi a entender os problemas e resolve-los com sabedoria. Também aprendi a conviver mais com minha mãe e meu pai”, fala Heloisa Silva, aluna do 6º ano. A Jenifer, de apenas seis anos de idade, também já levou uma lição para casa. “Aprendi que as coisas boas a gente guarda, e as ruins a gente joga fora”.

A Escola Amarelinha trabalha do ensino maternal ao médio, em período integral e semi integral. Outras informações pelo telefone: (67) 3354-5566.

Veja Também
Quarta, 18 de Janeiro de 2017 - 06h38Céu claro com possibilidade de chuva Em algumas regiões podem até serem registradas tempestades
Em 6 anos, presos pagam R$ 2 milhões pelas suas despesas, diz TJMS
Temer discute crise prisional com governos do Norte e Centro-Oeste
Entenda a diferença entre zika, dengue e chikungunya
Nova administração do Tribunal de Justiça será empossada dia 27
Prefeitura não dará dinheiro para desfile de blocos, mas ajudará na estrutura
Pronto socorro retoma atendimento odontológico 24 horas em fevereiro
Prefeita revoga decreto que suspendia gratificações na saúde
Sem repasse desde outubro, hospital volta a receber verba da prefeitura
Solurb diz que está se preparando para receber caçambas
square noticias uci
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
DothShop
Rec banner - cirurgia.net
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento