Menu
24 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Governo do Estado - Gestão por Competência
Internacional

Em processo inédito, ONU escolhe próximo secretário-geral

Este novo modelo, com entrevistas aos pretendentes ao cargo, visa dar mais transparência à eleição, que definirá sucessor do sul-coreano Ban Ki-moon

28 Set2016Da Agência Brasil08h06

Pela primeira vez na história, este ano o processo de sucessão do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) mudou, tornando-se mais transparente. No passado, a eleição para a escolha do sucessor ocorria de forma reservada. Desta vez, os candidatos foram a audiências públicas, transmitidas ao vivo pelo site das Nações Unidas. Este novo modelo, com entrevistas aos pretendentes ao cargo, visa a dar mais transparência à eleição, que definirá o sucessor do sul-coreano Ban Ki-moon.

Ao longo de sete décadas, o processo de seleção foi mantido a portas fechadas, com a escolha feita pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança: Estados Unidos, Reino Unido, Rússia, França e China.

De acordo com o Artigo 97 da Carta das Nações Unidas, “o secretário-geral deve ser nomeado pela Assembleia Geral, mediante recomendação do Conselho de Segurança”. A decisão requer pelo menos nove votos a favor, incluindo os dos cinco membros permanentes que têm poder de veto.

Até o momento, já foram feitas cinco rodadas de votação secreta, onde os membros do Conselho de Segurança (os cinco permanentes e os outros dez) votaram em cada um dos candidatos, apoiando, discordando ou abstendo-se.

Assim que um candidato reunir nove votos entre os 15 países-membros e a aprovação de todos os membros permanentes, o conselho recomendará o seu nome para aprovação pela Assembleia Geral da ONU, que reúne representantes de 193 países.

Candidatos e mulheres

Neste momento, o lugar de secretário-geral da ONU é disputado por nove candidatos, sendo quatro mulheres. A resolução 51/241 de 1997 da Assembleia Geral destaca a importância do equilíbrio regional e de gênero. Os oito secretários-gerais da história da ONU foram homens.

Apesar da pressão internacional para a escolha, pela primeira vez, de uma mulher para o cargo, posição que foi apoiada pelo atual secretário-geral, Ban Ki-moon, nenhuma das candidatas conseguiu mais do que um terceiro lugar nas votações.

O ex-primeiro-ministro de Portugal António Guterres venceu, até agora, todas as votações feitas. Guterres, que já exerceu o cargo de alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, recebeu ontem (26) 12 votos a favor, dois contra e um em branco.

Guterres venceu as quatro primeiras votações para o cargo, que ocorreram nos dias 21 de julho, 5 de agosto, 29 de agosto e 9 de setembro. A próxima votação está agendada para o dia 4 de outubro.

Ban Ki-moon deixará o cargo, após seu segundo mandato, em 31 de dezembro deste ano. Embora não haja um número limite de mandatos, nenhum dos secretários anteriores permaneceu por mais de dois.

Veja Também

Lei que dá desconto no IPTU a quem instalar câmeras é promulgada
Parque da Capital é fiscalizado após denúncia popular
Canditados já podem conferir se tiveram ou não isenção no Enem
Em Três Lagoas, artesãos serão cadastrados e receberão carteirinha
OAB-MS acionará CNJ contra obrigação de digitalizar processos
Vale Universidade Indígena convoca pré-habilitados para nova etapa
Governo premiará servidores que desenvolvem boas práticas no serviço público
Economia Parcelamento de dívidas de micro e pequenas empresas é regulamentado Valor da parcela mínima será de R$ 50,00 para o microempreendedor individual
Moringa pode purificar a água e ainda combater a desnutrição pelo mundo
Secretário fala de ações do Estado para reforçar a segurança na fronteira