Campo Grande •17 de Dezembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner ALMS - Materiais Campanha Gestão para Pessoas Sustentação

Valdelice Bonifácio | Quarta, 19 de Julho de 2017 - 14h00Ponto de coleta de óleo usado resiste no MercadãoMaterial depositado por clientes do estabelecimento é trocado por produtos de limpeza

  
Daniel Amaral conta que clientes do Mercadão já trazem o óleo espontaneamente ao Mercadão (Foto: Marco Matielo)
  • Daniel Amaral conta que clientes do Mercadão já trazem o óleo espontaneamente ao Mercadão
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • Mercadão também é ponto fixo do programa Conta Cidadã (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

O Mercado Municipal Antônio Valente, mais conhecido como Mercadão, mantém logo no estacionamento um ecoponto para a coleta de óleo de cozinha usado. É o único estabelecimento comercial na área central de Campo Grande que mantém local específico para recolher o produto trazido pelos clientes que não aproveitam o óleo usado em casa.

"Começamos com a coleta há uns três anos. Já virou tradição. As pessoas trazem mesmo de casa. Quando vêm fazer as compras no Mercadão, já passam por aqui para deixar o óleo de cozinha usado", relata o assessor administrativo do estabelecimento Daniel Amaral.

O ponto de coleta do óleo é uma estrutura bem simples, se resume a um tambor azul identificado. Toda vez que um cliente quer depositar o produto, Daniel aciona um funcionário do Mercadão para abrir o recipente e ajudar no despejo do óleo de cozinha.O produto recolhido no Mercadão é entregue à empresa Katu Oil tema de reportagem veiculada nesta terça-feira, 18 de julho, pelo Diário Digital. A Katu Oil compra o óleo usado de vários estabelecimentos comerciais e pessoas físicas pelo valor de R$ 0,50 o litro e exporta o produto para o Sul do Brasil onde é transformado em ração.

No caso do Mercadão, a moeda de troca escolhida é outra. "A gente preferiu trocar o óleo de cozinha por produtos de limpeza, uma possibilidade oferecida pela empresa compradora. Esse material ajuda na higienização dos banheiros", revela Daniel Amaral.

A cada duas semanas, a Katu Oil recolhe o tambor com capacidade para 208 litros no estacionamento do Mercadão. A empresa também compra o óleo que sobra das pastelarias e lanchonetes do estabelecimento. Por hora, o Mercadão é o único estabelecimento de grande porte que mantém fixo um ponto para receber o óleo de cozinha dos clientes. Feira Central - Um trabalho parecido é realizado pela Feira Central de Campo Grande. Porém, lá os feirantes não mantêm um ponto único para recolhimento do óleo como faz o Mercadão. "O cliente da feira pode deixar o recipiente com o produto no guichê de entrada do estacionamento que a gente recolhe, armazena e depois encaminha para a empresa especializada que compra o óleo de cozinha usado da feira", explica a presidente da Associação dos Feirantes Alvira Soares de Melo.

Diferente do que ocorre no Mercadão, a dirigente relata que os frequentadores da Feira Central não têm o hábito de levar o óleo até lá, embora o serviço seja oferecido há anos. "Não temos como fazer mídia para divulgar  isso, mas sempre oferecemos este serviço. Porém, todo óleo que chegar lá será recolhido e encaminhado de maneira correta", garante Alvira. Supermercados - Durante algum tempo, grandes mercados como a Extra, por exemplo, também mantiveram um ponto para esta finalidade, mas o desativaram.  Segundo informações apuradas extra-oficialmente, os custos para a manutenção do local de coleta -- é preciso ao menos um funcionário para tomar conta do setor -- desestimularam as empresas a manterem o serviço.

A Rede Comper não tem ecoponto, mas segundo a assessoria de imprensa, está em busca de parcerias com empresas para implantar a coleta de óleo de cozinha usado nas lojas.

Legislação municipal - O poder público não tem atualmente ações específicas voltadas diretamente para o descarte correto do óleo de cozinha. Em 2010, a prefeitura criou o Programa Coleta de Óleo de Cozinha Usado (Recol). Pontos de coleta foram distribuídos em locais públicos, mas à época não prosperaram devido à baixa adesão popular. 

Em 2011 foi sancionada a lei que criou o Programa Municipal de Coleta e Reciglagem de Óleos de Origem Vegetal para proteger o meio ambiente. A norma prevê multa e até cassação do alvará de estabelecimentos que não cumprirem regras sobre destinação de óleo de cozinha. A lei vale para empresas que produzem mais de 50 litros de óleo para descarte mensal.Em nota encaminhada à redação do Diário Digital, a prefeitura informou que está "regulamentando, normatizando e atualizando as normas quanto às diversas naturezas de resíduos." Conforme o Poder Público, há um plano de coleta seletiva em fase final de construção. "Os aspectos das multas e punições fazem parte de todo esse processo de normatização. O importante é destacar que Campo Grande na atual gestão está avançando no referente aos resíduos de forma transversal e integrada", diz a nota.

Ainda de acordo com a prefeitura, atualmente, o recolhimento de óleo vegetal atinge 85% dos estabelecimentos (restaurantes e bares) de Campo Grande.

Inimigo da natureza - A preocupação com descarte inadequado do óleo de cozinha usado levou a concessionária Águas Guariroba a desenvolver projetos de educação ambiental. Desde 2011, o programa De Olho no Óleo percorre as escolas estimulando a recolhimento do produto. Também por iniciativa da Águas estão sendo desenvolvidas oficinas para ensinar receitas repaginadas do sabão de óleo, assunto que foi tema de reportagem veiculada na segunda-feira, 17 de julho.

O óleo de cozinha descartado incorretamente é o principal problema nas tubulações e na natureza. Na rede de esgoto, a gordura entope os canos e provoca vazamentos. Se jogado diretamente na terra pode contaminar o solo e a água. Se atirado nos rios e lagos, ficará na superfície, impedindo a entrada de luz e oxigênio e causanda a morte de espécies aquáticas.

Veja Também
Em Três Lagoas, equipes atualizam vacinação na Zona Rural
Imóveis com piscinas abandonadas serão notificados para combater dengue
Revitalizado, calçadão do Estrela do Sul é entregue à população
Região central de Dourados vai ganhar 6 mil lâmpadas LED
Estados Unidos acusam Irã de violar acordo nuclear
Associação de Agricultores Diamante Verde ganha Título de Utilidade Pública
Projeto quer dar mais transparência à fila de espera do SUS
Totem de Natal cai em cima de carro no Centro
Feira Central da Capital coleta histórias de frequentadores
Fim da neutralidade nos EUA pode ter impactos na internet no Brasil
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothShop
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento