Campo Grande •21 de Novembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner Governo - Governo Presente - Matrícula

Laureano Secundo | Segunda, 26 de Junho de 2017 - 12h03Cheques devolvidos é menor em MSEm maio percentual de devoluções foi de 2,15%, aponta Serasa Experian

No Mato Grosso do Sul, a devolução de cheques em maio/17 foi de 2,35% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,39% registrada em abril/17. Em maio/16, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Mato Grosso do Sul havia sido de 2,68% do total de cheques compensados.

Na Região Centro-Oeste, a devolução de cheques em maio/17 foi de 2,75% do total de cheques compensados, maior que a devolução de 2,70% registrada em abril/17. Em maio/16, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Região Centro-Oeste havia sido de 3,13% do total de cheques compensados.

Em abril, a porcentagem de devoluções por insuficiência de fundos havia sido de 2,14%. No acumulado do ano, entre janeiro e maio, o percentual de devoluções foi de 2,18% no país, sendo que o Amapá liderou o ranking com 18,69% e São Paulo foi o estado com o menor percentual de cheques devolvidos: 1,73%

O percentual de devoluções de cheques pela segunda vez por insuficiência de fundos em maio/2017 foi de 2,15% em relação ao total de cheques compensados. As informações são do Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos. O percentual sofreu ligeira alta em relação ao mês anterior, abril, quando registrou-se 2,14% de devoluções. No acumulado do ano, entre janeiro e maio, a porcentagem de cheques devolvidos no país, em relação aos compensados, foi de 2,18%.

Em maio de 2017 foram 958.819 cheques devolvidos e 44.575.586 compensados. Em abril de 2017 haviam sido 815.503 cheques devolvidos por falta de fundos e 38.068.259 compensados.

 Segundo os economistas da Serasa Experian, a estabilidade da inadimplência com cheques reflete a atuação de duas forças antagônicas que, no curto prazo, se anula: por um lado, há a redução da inflação e dos juros, que favorece o recuo dos índices de inadimplemento mas, por outro lado, há o elevado nível de desemprego no país, que acaba atuando na direção contrária, pressionando para cima a inadimplência. Assim, dificilmente notaremos recuo mais significativo da inadimplência do consumidor se o desemprego não iniciar uma trajetória consistente de recuo.

 

Veja Também
Terça, 21 de Novembro de 2017 - 11h21Maior autoridade do Krav Maga visita Capital No dia 26 de novembro, será realizado um treinamento especial
Terça, 21 de Novembro de 2017 - 09h59Apreensão de peixes na piracema em Mato Grosso ultrapassa em 360% a de 2016 Total de multas aplicadas ultrapassa R$ 93 mil
Terça, 21 de Novembro de 2017 - 09h40Mulher tem botijão de gás furtado e suspeita do vizinho Caso foi registrado na delegacia de polícia
Terça, 21 de Novembro de 2017 - 09h06Presídios terão banco de dados sobre situação de detentos Sistema já foi implantado em Roraima, onde 100% dos custodiados pelo Estado estão incluídos no cadastro
Lançado aplicativo que colocará dados dos equídeos na palma da mão do criador
Terça, 21 de Novembro de 2017 - 07h03Previsão de chuvas e trovoadas Região sul corre risco de sofrer com fortes temporais
Anvisa aprova novo medicamento para tratar câncer de bexiga
Empresa garimpa talentos em comunidade negra na Capital
TSE lança canal no Twitter para tirar dúvidas do eleitor
Operação combate publicidade irregular em Três Lagoas
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento