Menu
18 de junho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Calote

Cheques devolvidos é menor em MS

Em maio percentual de devoluções foi de 2,15%, aponta Serasa Experian

26 Jun2017Laureano Secundo12h03

No Mato Grosso do Sul, a devolução de cheques em maio/17 foi de 2,35% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,39% registrada em abril/17. Em maio/16, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Mato Grosso do Sul havia sido de 2,68% do total de cheques compensados.

Na Região Centro-Oeste, a devolução de cheques em maio/17 foi de 2,75% do total de cheques compensados, maior que a devolução de 2,70% registrada em abril/17. Em maio/16, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Região Centro-Oeste havia sido de 3,13% do total de cheques compensados.

Em abril, a porcentagem de devoluções por insuficiência de fundos havia sido de 2,14%. No acumulado do ano, entre janeiro e maio, o percentual de devoluções foi de 2,18% no país, sendo que o Amapá liderou o ranking com 18,69% e São Paulo foi o estado com o menor percentual de cheques devolvidos: 1,73%

O percentual de devoluções de cheques pela segunda vez por insuficiência de fundos em maio/2017 foi de 2,15% em relação ao total de cheques compensados. As informações são do Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos. O percentual sofreu ligeira alta em relação ao mês anterior, abril, quando registrou-se 2,14% de devoluções. No acumulado do ano, entre janeiro e maio, a porcentagem de cheques devolvidos no país, em relação aos compensados, foi de 2,18%.

Em maio de 2017 foram 958.819 cheques devolvidos e 44.575.586 compensados. Em abril de 2017 haviam sido 815.503 cheques devolvidos por falta de fundos e 38.068.259 compensados.

 Segundo os economistas da Serasa Experian, a estabilidade da inadimplência com cheques reflete a atuação de duas forças antagônicas que, no curto prazo, se anula: por um lado, há a redução da inflação e dos juros, que favorece o recuo dos índices de inadimplemento mas, por outro lado, há o elevado nível de desemprego no país, que acaba atuando na direção contrária, pressionando para cima a inadimplência. Assim, dificilmente notaremos recuo mais significativo da inadimplência do consumidor se o desemprego não iniciar uma trajetória consistente de recuo.

 

Veja Também

Castração de gatos no CCZ deverá ser agendada presencialmente
Empresário sugere proibição de fogos de artifício com ruído
Deficientes poderão ser isentos de taxa de inscrição em concursos
Projetos proíbem cursos de graduação a distância na área da saúde
Campo Grande está entre as cidades com menor índice de perda de água
Criação de Conselho Municipal LGBT será debatida na Câmara
Trânsito CCR MSVia informa usuários da BR-163/MS sobre trechos em pare-e-siga Em caso de chuvas, as obras serão suspensas
Petrobras reduz em 1,24% o preço da gasolina nas refinarias
Obra avança e dúvidas permanecem
Resultado do Sisu pode ser consultado pela internet