Campo Grande •18 de Fevereiro de 2018  • Ano 7
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner Águas Guariroba - Campanha Águas Faz Mais

Valdelice Bonifácio | Quinta, 6 de Outubro de 2016 - 17h00‘Drink de mulherzinha’ é nome ultrapassado, avalia clienteConsumidora que considerou nome inadequado ficou surpresa com a polêmica

  
Bruna e o namorado Fábio entraram no bar pela primeira vez sem imaginar a polêmica na qual se envolveriam (Foto: Roberto Okamura)
  • Bruna e o namorado Fábio entraram no bar pela primeira vez sem imaginar a polêmica na qual se envolveriam
  • Postagem movimentou a rede social (Foto: Roberto Okamura)
  • Bruna só quis manifestar sua opinião como consumidora (Foto: Roberto Okamura)
  • (Foto: Roberto Okamura)

Quando entrou em um bar de Campo Grande na noite de domingo, 2 de outubro, a bióloga Bruna Oliveira, 26 anos, não imaginava a polêmica na qual se envolveria por ter opinado sobre o nome de uma das bebidas da casa, o ‘drink de mulherzinha’. Na ocasião, ele comentou com a garçonete que não considerava o nome adequado. Horas depois, teceu uma consideração no movimentado perfil do estabelecimento no Facebook, desencadeando uma avalanche de manifestações.

Nesta quinta-feira, 6 de outubro, a jovem recebeu a reportagem do Diário Digital para falar de sua surpresa com o episódio e esclarecer a situação. O bar em questão é o Trutis Bacon Bar especializado em alimentos com bacon e famoso pela polêmica com veganos. No perfil do bar, a jovem escreveu que estranhava a escolha do nome. "Não entendi porque um drink chamado "drink de mulherzinha" que vem com pouco álcool.Garanto que a mulherada bebe muito mais do que muito metido a machão", escreveu. O proprietário do bar Loester Carlos Souza não deixou passar batido: “Meu bar, minhas regras”, respondeu.

Bruna que estava acompanhada do namorado, o também biólogo Fábio Góes, 30, explica que já tinha decidido deixar o bar sem consumir no local quando falou à garçonete sobre o nome do drink. O cardápio não agradou o casal que decidiu lanchar em outro estabelecimento. “Não fomos embora por causa do nome do drink. Já tínhamos decidido sair. Além disso, quando  postei o comentário no Facebook só quis manifestar minha opinião de consumidora. Não imaginava a reação do empresário e nem tamanha polêmica entre os internautas”, mencionou.

Contudo, a jovem sustenta sua posição. “De fato considero o nome da bebida machista. Sou bióloga e, por vezes, estou no campo lidando com animais. Não gosto de ouvir coisas do tipo, isso não é trabalho de mulher ou isso não é para meninas. Na minha opinião, o nome do drink é machista”, explicou.

A opinião tem o apoio de Fábio que tem a mesma linha de pensamento. “Tem um machismo subtendido na situação, pois traduz aqueles velhos conceitos segundo os quais mulher não pode beber, não pode se divertir e etc. Cria uma diferenciação entre homens e mulheres. Agora sobre a manifestação no Facebook, a gente só quis dar uma dica”, afirmou.

O bar tem como marca a irreverência. Porém, o casal recém-chegado de São Paulo não conhecia a fama do estabelecimento. “A gente estava passando na frente do bar que nos pareceu um lugar bacana e decidimos entrar”, relembra Fábio. “Quando saí do local não estava irritada e muito menos quis desabafar na rede social, apenas manifestar minha opinião de cliente. Fiquei muito surpresa com a repercussão”, diz Bruna.

Na quarta-feira passada, 4 de outubro, o dono do bar Loester Carlos Souza, concedeu entrevista ao Diário Digital. Ele disse que não pretende mudar o nome da bebida e que, inclusive, aproveitaria a polêmica para criar promoções. Contudo, ele assegura que considera importante ter a simpatia e a presença do público feminino em seu estabelecimento.

Veja Também
Com pista duplicada, obra da rotatória de acesso ao Outlet entra em fase final
Em MS, representantes de 10 países vão planejar Wildfire 2019
Preconceito e desinformação dificultam combate ao alcoolismo
Previsão é de chuva para este domingo
Sábado, 17 de Fevereiro de 2018 - 16h37Mãe que está presa com bebê consegue HC Justiça concede habeas corpus a mulher que deu a luz logo após prisão
Sindicalistas protestam contra reforma previdenciária
MS pode receber venezuelanos
MS não teve casos de febre amarela
Prefeitura entrega obra de escola que estava parada
Hora de atrasar o relógio
Square notícias UCI 2018
Vídeos
Diário Digital no Facebook
DothShop
DothNews
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2018 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento