Menu
22 de agosto de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Parque das Nações

Drenagem revela problemas em barragem

Tela que serve para reter o muro de pedras se rompeu em vários pontos e deverá ser consertada

10 Ago2019Da redação10h01

A drenagem do lago principal do Parque das Nações Indígenas para a retirada dos sedimentos revelou problemas estruturais na mureta de contenção das margens, chamada de gabião. A tela que serve para reter o muro de pedras se rompeu em vários pontos e terá que ser consertada antes da recomposição das águas do lago. O problema foi constato pelo secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck durante vistoria ao local na semana passada.

“Durante a retirada das águas foi percebida a necessidade de fazer um reforço no gabião à jusante (abaixo da barragem). A Agesul, rapidamente, já executou um pré-projeto, e essa reunião técnica no local foi para avaliar se o pré-projeto tem as condições técnicas adequadas para fazer a manutenção e o reforço do gabião no lago. Isso será feito com recursos do Imasul, vamos fazer rapidamente a licitação para executar esses serviços antes da recomposição das águas”, disse.

As obras de desassoreamento dos lagos do Parque das Nações Indígenas estão sendo executadas pela Prefeitura, em convênio com o Governo do Estado, que repassou R$ 1,5 milhão ao município para custeio. A previsão é retirar 140 mil metros cúbicos de sedimentos que se acumularam nos dois lagos – o principal e o secundário – arrastados pelas águas das chuvas.

Conforme a prefeitura, as obras seguem em ritmo bem adiantado e a expectativa é de que até o fim do mês o trabalho de retirada dos sedimentos seja concluído. O lago secundário já foi completamente desassoreado e está recomposto. Esse lago tem a função de reter os sedimentos, impedindo que cheguem ao lago principal.

Jaime Verruck salientou, ainda, que até o fim do mês fica pronto o projeto para recomposição das nascentes do córrego Joaquim Português, localizado no interior do Parque Estadual do Prosa. Esse trabalho será executado pelo Governo do Estado. O assoreamento no Joaquim Português é um dos responsáveis pelo acúmulo de sedimentos no lago principal do Parque das Nações Indígenas. As margens do córrego cederam pela força da enxurrada que desce da parte alta daquela região e todo esse material acaba se acumulando no lago.

“Assim que o projeto for entregue, no fim do mês, saberemos que tipo de intervenção será necessária nas nascentes do Joaquim Português para cessar o assoreamento. Fora isso, o que podemos constatar é que as obras estão em ritmo bem adiantado e logo a população de Campo Grande terá de volta o lago do Parque das Nações Indígenas”.

Veja Também

ALMS derruba veto e insenção em concurso para mesários continua
Ibama pretende monitorar desmatamento
Sejusp fecha fronteira e apreende sete toneladas de drogas
Agehab notifica beneficiários de Corumbá por inadimplência
Praça dos imigrantes terá um canto às mulheres
Rampa para desembarque de barcos está sendo construída
Bolsonaro volta a dizer que ONGs podem estar por trás de queimadas
Motociclista se surpreende ao avistar onça-pintada
Bombeiros fazem alerta sobre dias de tempo seco
Feriado do Servidor Público é transferido para o dia 10 de outubro