Campo Grande •17 de Fevereiro de 2018  • Ano 7
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner Águas Guariroba - Campanha Águas Faz Mais

Da redação | Sexta, 4 de Agosto de 2017 - 18h44Desestatização da MSGás ainda não está definida, diz presidente do BNDESContratação de empresa servirá para embasar estudos que definirão futuro da estatal

(Foto: Divulgação)

A desestatização da Companhia de Gás de Mato Grosso do Sul (MSGás) não é uma questão já definida e a contratação de empresa para “implementação de serviços relativos à estruturação e implementação da desestatização” servirá apenas para embasar estudos que vão definir o futuro da estatal. “O que não pode é a sociedade ser induzida a comprar modelos que são estritamente decorrentes de um discurso meramente ideológico”, afirmou Paulo Rabello de Castro, presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“Esse é apenas um processo que vai informar para a sociedade, por exemplo, a faixa de valor, o modo mais interessante de acrescentar valor a esse negócio”, afirmou Rabello de Castro, acrescentando que assim será possível destinar recursos a “investimentos mais necessários e prementes para a sociedade sul-mato-grossense, como na saúde, na educação, na logística”.

Na última semana de julho, o BNDES publicou edital para contratação de empresas para elaborar levantamentos referentes a MSGás e a Companhia Pernambucana de Gás (Copergás). As empresas vencedoras da concorrência terão que elaborar uma avaliação econômico-financeira e estudo de “alternativas de evolução para evolução do modelo regulatório do setor e a modelagem do processo de desestatização”. De acordo com o presidente do BNDES, esse processo todo deverá ser concluído no prazo entre 6 a 9 meses.

A privatização de empresas estatais que atuam nas áreas financeira, de energia e gás, e saneamento, é uma das condições impostas pelo Governo Federal para renegociar as dívidas que os estados têm com a União. Outras imposições apresentadas são a redução das despesas e a aprovação nos legislativos estaduais, de leis fixando o teto dos gastos públicos, a exemplo do que fez o Governo Federal. Mato Grosso do Sul também já teve aprovada pelos deputados estaduais, Lei fixando o limite de gastos com a máquina pública.

Paulo Rabello afirma que, pessoalmente, não defende o que ele chama de “condicionamento cruzado”, ou seja, impor condições para se conceder um benefício, no caso a renegociação das dívidas. “Sou a favor – é a minha opinião – de que haja, tanto quando possível, um descruzamento dessas condicionalidades, para que os negócios que valem a pena possam ocorrer independentemente de travamentos”, pontuou.

Outros estados também já buscaram ajuda do BNDES para a contratação de estudos para avaliar a situação das estatais e a viabilidade ou não delas serem privatizadas.

Veja Também
Sábado, 17 de Fevereiro de 2018 - 16h37Mãe que está presa com bebê consegue HC Justiça concede habeas corpus a mulher que deu a luz logo após prisão
Sindicalistas protestam contra reforma previdenciária
MS pode receber venezuelanos
MS não teve casos de febre amarela
Prefeitura entrega obra de escola que estava parada
Hora de atrasar o relógio
Sábado, 17 de Fevereiro de 2018 - 06h25Chuva e muito sol Na parte da tarde as temperaturas permanecem altas
MEC prorroga prazo para adesão do Programa Mais Alfabetização
Aberta licitação para revitalizar Rua 14 de Julho
Horário de verão termina à meia-noite do sábado (17)
Square notícia uci
Vídeos
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - Patio central
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2018 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento