Campo Grande •24 de Junho de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da redação | Quarta, 19 de Abril de 2017 - 19h29Deputados cobram explicações sobre fechamento de farmácias popularesPrograma permite que pessoas tenham acesso a remédios com desconto de até 90%

(Foto: Divulgação/EBC)

O deputado João Grandão (PT) apresentou requerimento, durante a sessão plenária desta quarta-feira (19/4), assinado também pelo deputado Dr. Paulo Siufi (PMDB), cobrando explicações do ministro da Saúde, Ricardo Barros, com relação ao fechamento das farmácias populares em todo o Brasil. Segundo Grandão, havia mais de 30 farmácias em Mato Grosso do Sul, sendo a metade em Campo Grande, quatro em Dourados e as demais em cidades como Aquidauana, Bonito, Aparecida do Taboado, Nova Andradina, Ivinhema, Paranaíba e Ponta Porã.

"Trata-se de um programa sem conotação política e que permitia que as pessoas tivessem acesso a um desconto de até 90% na aquisição de medicamentos, por isso é inadmissível que seja cancelado", afirmou Grandão. Ele lembrou que o ministro tem 30 dias para responder o requerimento. "Caso não recebamos resposta, faremos uma nota de repúdio e buscarmos outras formas de mobilização", garantiu. Na justificativa do requerimento, os deputados argumentaram que o programa teve duração de 13 anos e assegurava assistência a aproximadamente 10 milhões de pessoas por mês.

O deputado Amarildo Cruz (PT) também criticou o fechamento das farmácia. "O ministro não dirá a real motivação para a interrupção do programa", alertou. Já o deputado Siufi, que preside a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, lembrou que o programa evitou o agravamento do quadro clínico de muitos pacientes e também contribuía para superlotar as unidades de saúde.

"Não podemos tampar o sol com a peneira e bem sabemos que muitas pessoas deixaram de ir aos leitos de UTI porque puderam se cuidar antes e tomar devidamente seus medicamentos", disse. Para o deputado, que também é médico, os remédios adquiridos nas farmácias populares são justamente os que muitas vezes faltam nas unidades de saúde.  

Em nota oficial, o Ministério da Saúde informou, no último dia 13 de abril, que os critérios para repasse financeiro aos estados e municípios onde funcionam as unidades próprias do Programa Farmácia Popular do Brasil (PFPB) estão sendo redefinidos. As informações oficiais ainda serão divulgadas.

Na nota, o ministério reitera que o programa visa à complementação e distribuição gratuita de medicamentos garantida pelo Sistema Único de Saúde (SUS), "oferecendo alternativa de acesso à assistência farmacêutica com vistas à promoção da integralidade do atendimento à saúde pública, de forma que não substitui as ações e programas de responsabilidade dos gestores de saúde pública nas três esferas de governo". Desta forma, além das unidades básicas ou postos de saúde, a população poderá procurar uma farmácia ou drogaria credenciada ao Aqui Tem Farmácia Popular.

Veja Também
Ministro nega retaliação da Noruega e diz que desmatamento voltará a cair
Avião monomotor cai sobre creche na Flórida e mata uma pessoa
Médicos rejeitaram reajustes acima da inflação, diz prefeitura
MPT fará mediação entre trabalhadores e Santa Casa
Profissionais de Educação Física aprovados em concurso são convocados
Deslizamento de terra deixa pelo menos 120 desaparecidos na China
Prefeitura notifica quase 2.600 proprietários de terrenos sujos
Funcionários da Cassems podem aderir à paralisação
Greve está mantida, informa Sindicato dos Médicos
Pacientes diabéticos recebem gratuitamente tiras medidoras de glicemia
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
DothShop
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento