Menu
25 de maio de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega banner ALMS - AUDIÊNCIA PÚBLICA
Saúde

Deputado pede apoio para que Hospital São Julião realize cirurgias labiopalatinas

Mais de 250 pessoas em Mato Grosso do Sul nasceram com fissuras labiopalatinas

6 Set2017Da redação16h59

Mais de 250 pessoas em Mato Grosso do Sul nasceram com fissuras labiopalatinas e não possuem a possibilidade de cirurgia de correção gratuita no Estado. A estimativa foi repassada pelo deputado Pedro Kemp (PT) em discurso na tribuna durante a sessão ordinária desta terça-feira (5/9), em que pediu apoio aos demais deputados estaduais para pressionar o Ministério da Saúde a habilitar o Hospital São Julião, em Campo Grande, para a realização dessas cirurgias via Sistema Único de Saúde (SUS).

De acordo com o deputado, o hospital está preparado para atender esse tipo de intervenção. “Conversei com o diretor e há equipamentos e equipe médica preparada para fazer as cirurgias. Só falta o trâmite burocrático para habilitar e poder repassar os recursos, que não são absurdos. Um cirurgião plástico receberia R$ 800 a cada procedimento. Não é caro se pensar no benefício a essas crianças, pois a fissura pode comprometer a saúde e qualidade de vida. Algumas não conseguem se alimentar. A situação pode ser grave e levar a óbito”, argumentou Kemp.

O parlamentar apresentou uma indicação para os secretários de Saúde, estadual e de Campo Grande, pedindo ajuda para o processo de autorização do Hospital São Julião. Kemp ainda disse que a Capital não tem recebido, como antigamente, os mutirões médicos para as cirurgias corretivas e que o hospital referência desse tipo de cirurgia localizado em Bauru (SP), não tem mais aceitado pacientes pela falta de recursos.

A deputada Mara Caseiro (PSDB) apoiou a iniciativa de Kemp. “Eu mesma estive em Bonito há pouco e vi um menino precisando da cirurgia e a mãe dizendo que não conseguiu o retorno em Bauru. Se há condições de oferecer esse atendimento no São Julião, então faço coro ao pleito para sensibilizarmos para a situação”, finalizou.

Veja Também