Menu
23 de janeiro de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Sentença Inédita

Comunidade indígena alvo de aplicação de agrotóxico vai receber indenizção de R$ 150 mil

Indenização por danos morais coletivos deve ser paga pelo fazendeiro, piloto agrícola e cooperativa

16 Jan2020Da redação12h20

A Comunidade Indígena Tey Jusu, localizada em Caarapó, a 270 km ao sul da capital Campo Grande, vai ser a primeira do estado a receber indenização por ser vítima de aplicação irregular de agrotóxicos. A Justiça atendeu o Ministério Público Federal e condenou um proprietário rural, um piloto agrícola e a empresa contratante a pagarem, solidariamente, R$ 150 mil à comunidade, a título de danos morais coletivos.

Eles foram condenados com base no Inquérito Policial nº 0015/2016, instaurado para apuração do delito previsto na Lei nº 7.802/98: ação ilícita de aspersão de agrotóxicos em descumprimento às exigências estabelecidas na legislação pertinente. O artigo 10 da Instrução Normativa n° 02, de 03 de janeiro de 2008, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, determina que não é permitida a aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância mínima de quinhentos metros de povoações.

O fato aconteceu no dia 11 de abril de 2015, no período da manhã, nas imediações da terra indígena Tey Jusu, em Caarapó. A aspersão causou, em crianças e adultos, dores de cabeça e garganta, diarréia e febre.

Os membros da comunidade relataram que o avião sobrevoou os barracos de 7 famílias, derramando o agrotóxico diretamente sobre elas. Após, sobrevoou alguns outros barracos que se encontravam junto a uma plantação de milho. Os indígenas produziram vídeos que mostram um avião agrícola em operação, utilizado na aplicação de fertilizantes e agrotóxicos, em que era possível ler o prefixo da aeronave. Posteriormente, o piloto do avião foi identificado através desta informação. O MPF também identificou que foi aspergido sobre a comunidade o fungicida Nativo, classe III.

A Justiça concordou com o argumento do MPF, de que os barracos de lona dos indígenas estavam localizados a menos de 500 metros de distância do local onde ocorreu a aplicação de produtos agroquímicos. Muitos estavam a apenas 30 ou 50 metros de distância da lavoura. Desta forma, os responsáveis assumiram o risco ao executar a aplicação de agrotóxicos.

Os réus chegaram a afirmar que a culpa pela intoxicação seria das vítimas, ao argumento de que os indígenas teriam se afastado da aldeia localizada a mais de 500 metros da área de aplicação do produto para adentrar a lavoura exatamente no dia e hora da aspersão. A Justiça considerou que os laudos apresentados pelo MPF comprovam a existência de barracos próximos à plantação e não o mero trânsito.

Por fim, a sentença afirma que a condenação por dano moral coletivo é “resultante de ofensa à coletividade indígena - lesão à honra e à dignidade -, consubstanciada na exposição, de parcela de seu grupo, à substância imprópria à saúde humana. A dignidade humana é por excelência o bem jurídico supremo. E, para sua proteção, impõe-se o dever jurídico de todos e do próprio Estado em respeitar a dignidade do próximo, seja o próximo um negro, um branco, um índio ou pertencente a qualquer outra raça ou etnia”.

Veja Também

Ação reduz turvamento das águas dos rios após chuvas em Bonito
Agetran divulga pontos de interdição em vias de Campo Grande
Confira escala médica nas UPAs e CRSs nesta quinta-feira
Saúde convoca hospitais privados para orientar sobre dengue
Consumo das famílias registra aumento
Mãe que aguardou meses a liberação do corpo da filha será indenizada
Hemosul entra em estado de emergência e convoca doadores
CCZ promove primeira feira de adoção de cães e gatos
Ensino médio integrado está com matrículas abertas em 17 cidades MS
Temperatura máxima de 26°C