Campo Grande • 11 de dezembro de 2016 • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da Agência Brasil | domingo, 20 de novembro de 2016 - 14h20Compromisso de reduzir aquecimento global não tem volta, diz organizaçãoAvaliação é do secretário executivo do Observatório do Clima, Carlos Rittl, e do coordenador da Coalizão Brasil Clima, Marcelo Furtado

Os países participantes da 22ª Conferência das Partes sobre Mudança do Clima (COP 22) reafirmaram o compromisso de reduzir o aquecimento global e de construir uma agenda de trabalho para chegar a esse objetivo em dois anos. A avaliação é do secretário executivo do Observatório do Clima, Carlos Rittl, e do coordenador da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, Marcelo Furtado.

A conferência, que teve início no dia 7 de novembro e terminou na sexta-feira (18), no Marrocos, teve o objetivo de regulamentar os detalhes sobre o Acordo de Paris. Esse pacto representa um esforço de mais de 190 países para conter as emissões de gases de efeito estufa e, com isso, limitar o aumento da temperatura média global a bem abaixo de 2 graus Celsius.

Ritll e Furtado lembraram que a COP 21, realizada em 2015, na França, teve um caráter político. Já a conferência deste ano foi técnica, com o objetivo de definir a agenda de trabalho. “O Brasil contribuiu para que a gente tivesse a construção de uma agenda que pode entregar bons resultados nos próximos dois anos. Depende do empenho de todos os países”, disse Rittl.

“Os países deram um sinal inequívoco que o compromisso não tem volta”, ressaltou Furtado.

Para Rittl, é hora do Brasil fazer a lição de casa e definir como vai tirar o compromisso do papel. O secretário executivo destacou que o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, afirmou, na conferência, que a meta do Brasil é limitar o aquecimento a 1,5 grau e instigou outros países a fazerem o mesmo.

Rittl defende que o Brasil inclua as mudanças climáticas como tema central da sua agenda de desenvolvimento. Atualmente, na avaliação dele, esse assunto é um tema acessório. Ele acrescentou que é preciso realizar o cadastro ambiental rural, recuperar áreas desmatadas ilegalmente e vincular o crédito rural a medidas de cuidados com o meio ambiente.

Para Furtado, existe um compromisso no Brasil não só do governo, mas também das organizações da sociedade civil e do setor privado “em fazer acontecer”. “Vai exigir uma orquestração conjunta. É muito importante o papel do setor privado e dos organismos de financiamento”, destacou.

Furtado defendeu a implementação do Código Florestal, assistência técnica para programas de baixo carbono e ampliação dos estudos de estratégias de restauração de áreas degradadas. Ele também defendeu a remuneração de proprietários de áreas com florestas “em pé”, além de financiamentos “mais generosos” para quem pratica a agricultura de baixo carbono.

Ontem, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) divulgou uma avaliação preliminar do governo brasileiro sobre a COP 22. O documento aponta que a conferência deste ano representa um "ponto de partida”, com foco na definição do chamado "livro de regras", que estabelecerá como será a implementação das obrigações assumidas em Paris.

O informe também expõe a posição adotada pelos representantes brasileiros na conferência, como a visão de que o Acordo de Paris é irreversível e de que é necessário acelerar os trabalhos para que ele seja implementado. Além disso, aponta a necessidade, debatida na COP 22, de os países desenvolvidos ampliarem seu nível de financiamento, definindo um “mapa do caminho” que demonstre como se chegará ao objetivo dos US$ 100 bilhões anuais em 2020.

O Brasil participou da COP com 271 delegados, entre representantes do governo, da academia, de entidades privadas e de organizações não governamentais. No total, foram 87 participantes ligados ao governo - incluindo 16 parlamentares - e 184 da sociedade civil.

Veja Também
PMA conclui curso de taxidermia e Educação Ambiental
sábado, 10 de dezembro de 2016 - 19h10Governo frances prorroga estado de emergência até maio de 2017 Prolongação se deve aos atentados de Paris, Nice ou S. Denis, em 2015
Roraima deporta 450 venezuelanos em situação irregular no País
sábado, 10 de dezembro de 2016 - 16h40Maior acervo on-line sobre ditadura brasileira é relançado em São Paulo Registrando picos de 20 mil acessos diários, tem mais de mil itens publicados
sábado, 10 de dezembro de 2016 - 15h00Pesquisa de brasileiro pode reduzir incidência de Alzheimer e Parkinson Não há uma previsão para a conclusão dos estudos
Detentos usam lonas dos Jogos Olímpicos para produção de bolsas
Equipe de governo escolhida por Trump assusta americanos
Homens adultos são grupo de risco para doenças cardiovasculares em MS
Confira 10 dias para escolher a escola do seu filho
sábado, 10 de dezembro de 2016 - 10h37Dupla é presa acusada de estuprar menores Na delegacia, Ivonir e Gladson confirmaram ter mantido relação com as jovens
square noticias uci
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
DothShop
Rec banner - cirurgia.net
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2016 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento