Menu
30 de maio de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Queimadas

Combate aéreo e terrestre tenta extinguir fogo na Caiman

Incêndio já consumiu mais de 37 mil hectares em estância

21 Set2019Da redação14h48

O sábado amanheceu com temperatura amena (24 graus), umidade acima de 70% e com um clima de otimismo entre pessoas que formam um exército para enfrentar o intenso fogo que queimou mais de 37 mil hectares da Estância Caiman, onde se desenvolve projetos de sustentabilidade ambiental que são referências. Todos preparados para uma nova e última fase da ação que dura 13 dias: o combate aéreo.

Com os focos de calor se concentrando na RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) da propriedade, de 5,6 mil hectares, a operação montada pelo Governo do Estado para debelar as queimadas no Pantanal e Serra da Bodoquena, com o apoio de 34 bombeiros e uma aeronave do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, iniciou-se na Caiman, neste 21 de setembro. Cerca de 50 brigadistas estão atuando por terra e água para manter o controle dos focos.

“Esperamos que seja o combate final, o apoio aéreo nos alivia muito”, afirmou Roberto Klabin, dono da fazenda situada a 36 km de Miranda. “Aprendemos muito com o fogo, que não é brincadeira enfrenta-lo com tamanha voracidade, cruzando um extremo de 32 km da fazenda em 14 horas”, disse o empresário, também presidente da Ong SOS Pantanal. “Foram dias de inferno, mas tivemos apoio substancial do Estado, do Ibama, bombeiros e voluntários.”

Base operacional - A ação conjunta entre os bombeiros de Mato Grosso do Sul e do Distrito Federal é resultado do decreto de situação de emergência, assinado no dia 12 de setembro pelo governador Reinaldo Azambuja. O Ministério de Desenvolvimento Regional, por meio da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec), se antecipou ao reconhecimento do decreto, em tramitação, e enviou ao Estado a aeronave e os 34 brigadistas do Distrito Federal.

A base da operação foi montada em Aquidauana, de onde, neste sábado, 20 bombeiros se deslocaram para a Caiman e para a Fazenda São Roque. Nesta propriedade, entre os pantanais de Aquidauana e Corumba, focos de calor ameaçam o Parque Estadual do Rio Negro. O tenente bombeiro Eduardo Tracz, relações públicas da operação, informou que extinto o fogo na Caiman será montado um novo plano de ação para atender outras regiões com focos.

Oficiais bombeiros do Estado e do Distrito Federal estiveram na Caiman, na manhã deste sábado, para acompanharem o combate combinado (aéreo-terrestre), e fizeram um sobrevoo no Pantanal para verificar novas pistas onde a aeronave possa operar. A princípio, a base operacional será mantida na Caiman, que oferece logística para abastecimento do avião om combustível e água. A fazenda colocou sua estrutura à disposição da operação.

Foi assustador -  O fogo na Caiman chegou às 13h do dia 9 de setembro, entrando por uma propriedade vizinha, cuja divisa é o Rio Aquidauana. Se alastrou rapidamente, com as chamadas atingindo a copa das piúvas centenárias, com altura de dez metros, devido a força do vento. O fogo chegou a circundar um dos retiros, o do Capão da Onça, onde haviam três empregados da fazenda, que nada sofreram, além do pânico. “Foi assustador”, lembra o gerente Eduardo Rosa.

A chegada do avião Air Tractor modelo AT-802F, do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, na tarde de sexta-feira (20), trouxe alívio ao proprietário e funcionários da fazenda e aos brigadistas, que estão no limite de suas forças após combates diuturnos na extensa área (52 mil hectares). A aeronave tem capacidade para transportar 3,1 mil litros de água e iniciou sua operação às 7h15 deste sábado, com lançamentos a cada 15 minutos – sem previsão de término.

O combate aéreo chegou na hora certa: o enfrentando do fogo, com a participação dos brigadistas especializados do Corpo de Bombeiros, do Ibama e da Suzano (indústria de celulose de Três Lagoas), foi direcionado para uma área da RPPN controlada após combate até a madrugada deste sábado. Equipes de combatentes da fazenda e voluntários se dividiram no trabalho de rescaldo e monitoramento em outros pontos de focos de menor intensidade.

Questão de honra - “Na reserva estamos fazendo um combate direcionado, é uma área de difícil acesso e parte alagada, com mata fechada e o fogo pegando onde se concentram plantas aquáticas”, explicou o capitão Victor Shiroma, do Corpo de Bombeiros do Estado e coordenador da operação. “Sem contar a alta temperatura, que passa dos 40 graus, e o vento jogando faíscas para dentro da mata”, acrescentou. Estima-se que 100 hectares da RPPN foram queimados até agora.

O Air Tractor está sendo pilotado pelos bombeiros tenente coronel Eloízio Ferreira do Nascimento e major Norberto Pimentel, ambos com larga experiência, tendo atuado em queimadas na Chapada dos Veadeiros, Roraima e Chapada Diamantina. Integram ainda a equipe dois operadores de solo e dois mecânicos da mesma guarnição. O reabastecimento de água da aeronave está sendo feita na pista de pouso da fazenda, com o apoio do Exército.

O início da operação aérea se deu antes do amanhecer. Às 4h os brigadistas já se estavam concentrados no galpão do peão, sede da fazenda, onde o sargento bombeiro Odair Coronheiro, do Distrito Federal, alertou os combatentes para as questões de segurança em terra no momento do lançamento da água, que se desloca a uma velocidade de 200 km/h. A extinção do fogo, como disse um brigadista, é questão de honra. E a ação se desenvolve com sucesso.

Veja Também

Prefeitura de Dourados dá andamento a obras do projeto Lote Urbanizado
Ministério da Saúde prorroga campanha de vacinação contra gripe
Junho Verde terá ações de comemoração ao meio ambiente
Alunas da UEMS criam robô que ajuda na prevenção do coronavírus
Com ajuda do JBS, PAM de Dourados terá leitos ampliados
Ação solidária leva kits de higiene a comunidade carente
Unidades promovem ações em alusão ao Dia Mundial sem Tabaco
Funsat lança chat para acesso aos serviços voltados ao trabalhador
Em Dourados, Agehab entrega escrituras casa a casa
Corumbá realizará live de contação de histórias e brincadeiras