Menu
24 de abril de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Meio Ambiente

Com ordem judicial, arara Jade volta para casa

Ave estava recolhida na Cras há cerca de nove meses e reencontro com a proprietária foi emocionante

11 Abr2019Valdelice Bonifácio16h31
(Foto: Marco Miatelo)
  • A funcionária pública Sandra Rocha e a arara Jade, reencontro marcado pela emoção
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

A arara Canindé Jade vai voltar para a casa da família na cidade de Bataguassu. A ave estava no Centro de Reabilitação de Animais Silvestres, o Cras, em Campo Grande há nove meses, após ter sido recolhida pela Polícia Militar Ambiental (PMA). Na tarde desta quinta-feira, 11 de abril, a proprietária Sandra Rocha, munida de ordem judicial, retirou Jade do Crass. O reencontro das duas foi emocionante. “Ela é minha filha de penas”, disse a mulher.

A ordem judicial para a entrega do pássaro à proprietária é do juiz César Fidel Volpe, da 2ª Vara de Bataguassu. Ele, inclusive, estipulou multa de R$ 500 por dia em caso descumprimento da decisão. É o primeiro caso de determinação da Justiça para saída de animais do Cras que se tem notícias até o momento.

Jade foi entregue à dona por um cuidador do Crass por volta das 14h30. A ave gritou de alegria ao ver a mulher, demonstrando tê-la reconhecido imediatamente. Jade está bem disposta, porém, com cortes na asa direita. “Essa é uma situação que eu quero entender. Jamais fiz cortes nas penas delas”, assegura a mulher.

A história de Jade e Sandra começou há cerca de seis anos. A ave foi encontrada por um peão em uma fazenda no município de Santa Rita do Pardo, cidade próxima de Bataguassu. O trabalhador rural limpava uma área quando derrubou um toco e lá dentro encontrou dois filhotes de araras, um morto e Jade, com ferimentos.

O homem levou a ave para casa, tratou dos machucados e a alimentou com arroz cozido e leite. Dias depois, o peão ofereceu a pequena ave para a família de Sandra que aceitou na hora, pois sempre gostou de pássaros. Além de Jade, ela tem em casa outras 19 aves entre calopsitas e agapornis.

O nome Jade foi o próprio peão quem escolheu inspirado no filme Jade e Blue. A Canindé cresceu livre na casa de Sandra. “Às vezes eu ia para mata tentar ensinar ela a voar”, comenta. Porém, a convivência tranquila de Jade na casa de Sandra mudou em julho de 2018 quando policiais militares ambientais chegaram ao local para recolher a ave, após uma denúncia de maus tratos.

Sandra afirma que a denúncia é falsa. Porém, não conseguiu convencer a PMA, mesmo porque não tinha documento de compra e venda da ave e, além disso, Jade não usava a anilha. Por todas essas razões, ela foi trazida para o Cras da Capital, de onde só saiu nesta quinta-feira.

No Brasil, a lei proíbe a criação de animais silvestres em cativeiro sem a autorização. Dessa forma, mesmo que a pessoa seja um bom cuidador, ela precisa ter a documentação necessária, do contrário, o animal será recolhido e o criador autuado.

O Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul, Imasul, responsável pelo Cras não se manifestou oficialmente sobre o assunto.

Veja abaixo vídeo do reencontro entre Sandra e a arara Jade:

Veja Também

Sri Lanka declara estado de emergência
Plataforma para combater violência doméstica é lançada na Câmara
Vale Universidade Indígena abre período de inscrição na próxima semana
Sanesul e Águas são convocadas para debater qualidade da água em MS
Fórum de diretores de Campo Grande acontece dia 29 de abril
Agehab notifica beneficiários por inadimplência e ocupação irregular
‘Cassems Itinerante’ leva atendimento especializado a cinco cidades
TRE-MS faz cadastramento biométrico em Aparecida do Taboado
Governo anula licitação para compra de kit escolar
Estoque de plaquetas está abaixo do limite