Menu
25 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Governo do Estado - Gestão por Competência
Iniciativa do bem

Com materiais do lixão, jardineiro fez casa, jardim e praça

Material foi retirado das montanhas de entulho no Noroeste, local fechado em 2016

12 Jan2017Mariel Coelho, em colaboração ao Diário Digital18h59
(Foto: Marco Miatelo)
  • Joaquim e a esposa Ivonete, sua única ajudante nas construções
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

O jardineiro Joaquim tem 65 anos e trabalhava catando e revendendo madeira que achava no lixão de entulhos do Jardim Noroeste, na saída para Três Lagoas, em Campo Grande, que foi fechado. Das montanhas de entulhos, ele retirou os materiais com os quais construiu sua casa, um lindo jardim e uma praça para a comunidade que está sendo finalizada.

A praça não é só para as crianças, mas para que todos os moradores tenham uma área de lazer no Noroeste. Todo material que ele utilizou na construção da praça foi retirado do lixão.

A “Praça Recanto das Aves”, como ele batizou o local, é uma área é bem arborizada, cheia de plantas ,bancos e mesas. Para construí-la, ele contou apenas com a ajuda da esposa, a dona Ivonete. “Ainda falta muita coisa pra fazer aqui, mas sem os materiais não tem como”, disse seu Joaquim.

Desde que o aterro de entulhos foi fechado nenhuma caçamba pode mais descarregar lá. Muitas famílias que retiravam seu sustento do local, agora não podem mais contar com o aterro.

Seu Joaquim prova que soube aproveitar muito bem, tudo o que retirou das pilhas de entulhos. Pneus que antes juntavam água e poderiam abrigar focos do mosquito da dengue, nas mãos de Joaquim, viraram vasos para plantas, enfeites para a parede e até uma chaleira de pneus que ainda não foi concluída.

O jardineiro lembra que após o fechamento do local, no fim do ano passado, muitos amigos que trabalhavam lá, passaram e alguns ainda passam fome, outros se mudaram buscando melhorar de vida.

“Eu já trabalhava com jardinagem. Então não foi muito difícil pra mim. Eu consegui me virar depois do fechamento, mas aqueles que só tinham o lixão como fonte de renda sofreram bastante e ainda sofrem”, diz Joaquim.

O local permanece fechado e sem acesso para os trabalhadores. De acordo com a prefeitura, a área não será aberta novamente. O fechamento ocorreu devido à ordem judicial.

O Poder Público também considera que a destinação de entulhos não é de responsabilidade da prefeitura, mas sim do gerador. O desafio agora é decidir o que fazer com as caçambas que estão pela cidade cheias de entulhos que não puderam mais ser descarregados no Noroeste. A solução está sendo avaliada pela prefeitura.

Além de criativo, o jardineiro Joaquim é também um homem sensível e que aprecia a música. Ele compôs uma canção e tocou especialmente para a equipe do Diário Digital. Confira no vídeo abaixo desta matéria. O jardineiro, aliás,aceita doações e quer terminar a praça. Quem puder ajudar pode entrar em contato com ele pelo telefone: 99211-2837.

Veja Também

MS tem quatro mortes confirmadas por gripe
Projeto
Cães idosos receberão atendimento em shopping
Rotatória receberá sinalização e semáforos
Projeto de Lei assegura Libras em salas de cinema da Capital
Anvisa proibe uso e venda de lentes de contato coloridas no Brasil
Fazendeiro é multado após desmatar 10 hectares e matas do cerrado
Batalhão de Operações Especiais tem novo comandante
MT convoca aposentados e pensionistas de MS da época da divisão
Corrupção é culpada por drama de paciente na Capital