Menu
15 de julho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Super Banner Campo Grande Expo
Santa Casa

Cirurgias eletivas e atendimento ambulatorial são suspendidos

Instabilidade financeira desde o ano passado é o motivo da suspensão

25 Jul2017Da redação12h20

Desde o dia 8 de dezembro do ano passado a Santa Casa sofre com o adiamento na assinatura da contratualização  pelo Poder Público e pelo atraso nos repasses, ocasionando na suspensão das cirurgias eletivas e no atendimento ambulatorial. A partir do dia 1 de agosto não vai ser mais marcado novas consulta. Os pacientes que já fazem tratamento ambulatorial e os que estão na fila de espera param as cirurgias eletivas, não serão prejudicados. 

A negociação do hospital com a prefeitura para assinatura do convênio de 12 meses vem se arrastando desde o ano passado e nunca é concluída. Por conta desta postergação, aditivos vêm sendo feitos ao contrato anterior quase que mensalmente. A prorrogação da assinatura faz com que prevaleça o contratado anteriormente e não se possa colocar em prática, efetivamente, as decisões tomadas pelas partes neste ano, inclusive as sugeridas pelo Ministério da Saúde em reunião com as partes.

Atualmente, o repasse total da Prefeitura de Campo Grande para a Santa Casa é de cerca R$ 20,2 milhões por mês e ainda faltam ser repassados cerca de R$ 4.4 milhões, referentes ao mês de junho. O hospital tem ainda cerca de R$ 11 milhões a receber por serviços prestados ao Sistema Único de Saúde (SUS) antes de janeiro de 2017.

O novo contrato já foi redigido por uma equipe composta por técnicos da Prefeitura e do Hospital e enviado à Secretaria de Saúde há mais de um mês para ser assinado, porém até o momento não houve retorno. O hospital já realizou algumas adaptações solicitadas pela Administração Municipal, como o fim do atendimento a pacientes não regulados no pronto-socorro. Desde o dia 29 de maio apenas pacientes enviados pela regulação municipal são atendidos no pronto-socorro, todos com senha emitida pela Sesau.

 

 

 

Veja Também

SUS tem quase R$ 2 bilhões a receber das operadoras de planos de saúde
Iceberg se aproxima de vilarejo e leva ameaça de tsunami
Direitos Humanos Conanda cobra liberação de R$ 56 milhões de Fundo da Criança Órgão recorreu ao Ministério Público para liberar recursos
Maior sorteio do país acumula mais uma vez
Comissão aprova indenização a filhos de vítimas de violência
Coordenadoria da Mulher em Dourados já prepara o ‘Agosto Lilás’
Três Lagoas: recadastramento do passe escolar começa na segunda-feira
Pediatras brasileiros criticam investida dos EUA contra amamentação
'Não tem como ficar calada', diz mãe de Marielle
Setor siderúrgico quer mudar lei para aproveitamento de material lenhoso