Menu
21 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Campo Grande

Centro de Cultura é pichado, depredado e saqueado

Na ausência de segurança, vândalos atacaram estrutura; população pede vigilância

11 Jan2017Valdelice Bonifácio17h45
Vândalos atacaram estrutura que passou por recente reforma (Foto: Marco Miatelo)
  • Na ausência da Guarda Municipal que não comparece há mais de um mês, local é constantemente atacado por vândalos
  • Vândalos atacaram estrutura que passou por recente reforma (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

Desde que ficou sem vigilância da Guarda Municipal ainda na gestão de Alcides Bernal (PP), o Centro de Cultura do Cabreúva, atrás da obra inacabada do Centro de Belas Artes, em Campo Grande, tem sido depredado, pichado e saqueado. Frequentadores das pistas do Cabreúva lamentam a situação e atribuem à destruição à presença de usuários de drogas na estrutura abandonada pelo poder público.

“Todos os dias, no fim da tarde, venho aqui tomar tereré. Os usuários de drogas tomaram conta do local. A Guarda Municipal não aparece aqui há mais de um mês”, disse um jovem frequentador do local de 23 anos que pediu para não ser identificado para evitar problemas com os usuários de entorpecentes.

O cenário desperta um sentimento de pena. O local passou por reforma recente, mas não chegou a ser ocupado pelo município. A estrutura é bonita e conserva características antigas. Porém, as paredes estão pichadas, as lâmpadas foram quebradas pelos vândalos, cacos de vidro estão por toda parte. O local também é alvo de saques. Não há mais maçanetas nas portas, nem torneiras, ou mesmo tomadas nas paredes.

Bem na frente do Centro de Cultura está outra obra que também desperta sentimento de pena. O Centro de Belas Artes nunca foi finalizado e virou abrigo para moradores de rua e usuários de drogas. “Tem gente que mora aí dentro. Estão destruindo o que sobrou”, avalia outra frequentadora do local de 20 anos. “Aqui é um local super legal para passear, mas está ficando difícil”, diz a moça.

O novo prefeito de Campo Grande Marquinhos Trad (PSD) já teria sido comunicado por frequentadores que enviaram mensagem em seu Whatsapp. “Pedi que ele deslocasse uma equipe da Guarda Municipal para o local, antes que a destruição seja completa”, disse Haroldo Borralho, integrante do Centro de Documentação e Apoio aos Movimentos Populares (Cedampo).

O Diário Digital entrou em contato com a prefeitura questionando sobre as providências para preservação do local. A resposta foi a seguinte: "A Guarda Municipal vai fazer rondas no local. Nesse caso os moradores podem fazer as solicitações das rondas por meio do telefone 199."

Veja Também

Agetran alerta para interdições em vias neste sábado e domingo
Idosa sofre com adiamentos de cirurgia
Trabalhador fica preso em ferragens após acidente em rodovia
Governo revitaliza asfalto de três rodovias estaduais
Justiça Federal torna Cabral réu pela 23ª vez na Lava Jato
Prefeitura convoca mais 70 médicos inscritos na cadastro temporário
Em MS Atenção motoristas: BR-163/MS passa por obras da CCR MSVia Em caso de chuvas, as obras serão suspensas
Drone e ferramentas artesanais fazem sucesso na 3ª edição da Tecnofam
UFMS Acadêmicos da UFMS fecham portões e esperam por reitor Estudantes querem que o curso de Licenciatura em Educação no campo continue na faculdade
Tribunais e cartórios de MS serão inspecionados