Menu
20 de julho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
II Congresso de Empresas Familiares
Saúde Pública

CCZ já vacinou mais de 23 mil animais contra a raiva

Meta é vacinar 80% da população canina e felina, estimada em 160 e 40 mil, respectivamente

11 Jul2018Da redação14h53

A Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) de Campo Grande vacinou 17.480 cães e 5.787 gatos pela Campanha de Vacinação Antirrábica, totalizando 23.267 animais nas residências, desde o dia 25 de junho. A meta é vacinar 80% da população canina e felina, estimada em 160 e 40 mil, respectivamente, mantendo assim o controle da doença. As doses são gratuitas e protegem os animais contra a raiva, que é fatal.

A Região Urbana do Segredo, que tem entre os integrantes os bairros Coronel Antonino, José Abrão, Mata do Segredo, Jardim Nasser, Nova Lima e Seminário já foi visitada pelos vacinadores. O foco agora é a Região do Imbirussu (Nova Campo Grande, Panamá, Popular, Sto. Amaro, Sto. Antonio e Sobrinho)

A vacinação acontece de casa em casa, sendo importante que os donos de animais recebam em seus domicílios os servidores do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), que estão indentificados com crachá e uniforme.

Cerca de 17.939 imóveis estavam fechados e 2.287 proprietários não receberam as equipes. Sendo assim, foi deixado nestas residências, um aviso sobre a visita do vacinador, com orientação para procurar o CCZ e o animal receber a vacina.

Os cães e felinos a com mais de três meses devem receber as doses, inclusive cadelas e gatas prenhas  ou em lactação. A vacinação é única forma de proteção contra a raiva.

Incurável nos animais e fatal em 100% dos casos, a doença é uma zoonose e, portanto, também pode afetar os seres humanos. A raiva é letal e o vírus pode ser transmitido para os seres humanos a partir da mordida, lambida ou machucados causados por mamíferos contaminados. Já o contato com a pele do animal não oferece riscos.

O último caso de raiva humana no município foi registrado em 1968. Já em cães e gatos, o último caso ocorreu em 2001, quando o cão adquiriu a doença por meio do contato com um morcego contaminado com o vírus.

Desde 2001 o CCZ intensificou a vigilância de morcegos, com um total de 50 exemplares não hematófagos diagnosticados positivos para raiva até o ano de 2017.

Os donos de animais indicados para vacinação também podem levá-los até o CCZ (Avenida Filinto Muller, 1601 – Vila Ipiranga), que funciona todos os dias da semana, das 7h às 21h, sendo que sábados, domingos e feriados, a abertura ocorre uma hora mais cedo.

Veja Também

OAB/MS cadastra advogados voluntários para Mutirão Carcerário 2018
Três grupos de risco puxam para baixo índice de vacinação em Dourados
Secretaria de Educação deverá suprir falta de livros em escola
Após 18 anos do crime, réu é absolvido
Corrida dos 90 anos da PRF
Clima Altas temperaturas e umidade do ar em baixa Não previsão de chuva para nenhuma região de Mato Grosso do Sul
Conta de água assusta moradora da Cidade Branca
MPE tenta garantir a proteção do idoso no momento da internação
Imunização contra sarampo e poliomielite
Viveiro Municipal doa mudas de árvores à população