Menu
25 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Governo do Estado - Gestão por Competência
Em MS

CCR MSVia recolheu R$ 29,4 milhões em ISS às cidades da BR-163/MS em 2016

Imposto sobre obras e pedágios da rodovia é recolhido mensalmente às 21 prefeituras de cidades cortadas pela rodovia

2 Jan2017Da redação12h36

Apesar da crise e das dificuldades enfrentadas pelo país, o volume de obras na BR-163/MS determinou novo recorde da CCR MSVia no recolhimento de impostos às prefeituras de cidades servidas pela rodovia: R$ 29,4 milhões. O valor é referente ao recolhimento aos cofres públicos municipais do ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza). Ele incide sobre obras e arrecadação de pedágio.
 
De acordo com a área de Relações Institucionais da CCR MSVia, desde que iniciou os serviços de recuperação da BR-163/MS, em abril de 2014, a Concessionária já recolheu às prefeituras um total de R$ 54,8 milhões (R$ 3,5 milhões em 2014, R$ 21,9 milhões em 2015 e R$ 29,4 milhões em 2016).
 
Com 845,4 quilômetros de extensão, a BR-163/MS liga longitudinalmente o Estado de Mato Grosso do Sul, indo da divisa com o Paraná, ao Sul (cidade de Mundo Novo), à divisa do Mato Grosso, ao Norte, (cidade de Sonora).
 
Ao todo, a rodovia serve diretamente a 21 municípios, entre eles a Capital, Campo Grande. Entre outras obras e serviços, a CCR MSVia já construiu mais de 110 quilômetros de duplicações, recuperou mais de 270 quilômetros de rodovia e realizou mais de 300 mil atendimentos pelo Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU), com redução de mortos em acidentes na ordem de 30%.

Veja Também

MS tem quatro mortes confirmadas por gripe
Projeto
Cães idosos receberão atendimento em shopping
Rotatória receberá sinalização e semáforos
Projeto de Lei assegura Libras em salas de cinema da Capital
Anvisa proibe uso e venda de lentes de contato coloridas no Brasil
Fazendeiro é multado após desmatar 10 hectares e matas do cerrado
Batalhão de Operações Especiais tem novo comandante
MT convoca aposentados e pensionistas de MS da época da divisão
Corrupção é culpada por drama de paciente na Capital