Menu
19 de janeiro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Internacional

Câmara argentina aprova projeto que descriminaliza o aborto

De acordo com o projeto, o aborto poderá ser feito até 14 semanas de gestação

14 Jun2018Agência Brasil16h32

A Câmara dos Deputados da Argentina aprovou hoje (14) por 129 votos a favor, 125 contra e 1 abstenção o projeto de lei que descriminaliza o aborto, em uma sessão histórica que durou cerca de 22 horas e meia. 

De acordo com o projeto, o aborto poderá ser feito até 14 semanas de gestação. Depois deste prazo, a interrupção da gravidez só poderá ser realizada em casos de estupro, se representar um risco para a vida e a saúde da mãe e também se o feto tiver alguma malformação “incompatível com a vida extrauterina”.

A votação terminou com aplausos dos deputados que defendiam a interrupção voluntária da gravidez. 

O texto segue agora para o Senado. 

Lado de fora - Terminada a votação, do lado de fora do Congresso, mulheres, em sua maioria jovens, se abraçaram e choraram com o resultado.

Marita Perez conta que passou a noite inteira dormindo com três amigas em uma barraca e disse que não esperava a aprovação. “Até o último momento achava que não íamos conseguir”, disse a jovem. Segundo ela, as manifestações vão continuar. “O desafio agora é convencer os senadores que são mais conservadores a votar pela descriminalização do aborto”, completou.

Madrugada fria -Milhares de argentinos viraram a noite na praça em frente ao Congresso, para acompanhar a votação, na Câmara dos Deputados. Todos estavam preparados para enfrentar o frio de 5 graus: fizeram fogueiras, montaram barracas e dançaram, ao som de tambores, pedindo aos legisladores o direito a um “aborto livre, gratuito e seguro”.

A sessão começou ontem (13) e, até o fim da noite, havia um empate entre os deputados que discursaram a favor e contra a legalização do aborto. Do lado de fora do Congresso, ativistas dos dois lados ocupavam a praça e defendiam sua posição.

Números -Segundo as estimativas, 500 mil abortos clandestinos são feitos todos os anos na Argentina. Cerca de 60 mil resultam em complicações e hospitalizações. E muitas mulheres – a maioria pobres ou do interior – morrem por causa de abortos mal feitos.

Veja Também

Clima Possibilidade de chuva em Campo Grande Temperatura deve chegar aos 29ºC
Governo prorroga por um ano Operação Acolhida a venezuelanos
Casa ou apartamento? Entenda as vantagens de cada um
Em Corumbá, agência combate transporte irregular de passageiros
Crescimento do mercado funerário é aposta para novos empreendedores
Procon recebe denúncias pelo WhatsApp
Agetran fará interdições na ponte da Rua Bom Sucesso e área central
Agendamento para castração de felinos será no dia 21 no CCZ
Técnicos de educação infantil aprovados em concurso são convocados
Vítimas de estupro, índias prestam depoimento com ajuda de intérpre de língua