Menu
16 de julho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Super Banner Campo Grande Expo
Saúde Pública

Cães nas ruas dificultam combate à raiva em Corumbá

Moradores têm o habito de soltarem os animais e os deixam suscetíveis à doença

24 Jul2017Da redação17h29

A vacinação antirrábica em Corumbá continua sendo feita duas vezes ao ano e de casa em casa, em Corumbá. A última vez que houve ponto fixo para vacinação de animais no município foi em 2014, isso por recomendação do Ministério da Saúde. O órgão aconselha que em cidades onde aconteceram casos de raiva, a vacinação seja realizada nas residências, evitando aglomeração de animais. Além disso, a imunização deve ser feita duas vezes ao ano.
 
“Raiva é sempre tensão”, afirmou a médica-veterinária Walkíria Arruda, chefe do Centro de Controle de Zoonoses de Corumbá. “Comparado com 2015, que vai ser sempre nossa referência, a gente está com menores índices este ano. Tivemos um caso de raiva canina em abril, quando um cachorro pegou a doença através de um morcego, no conjunto Padre Ernesto Sassida”, relatou Walkíria.
 
O cão foi entregue ao CCZ com suspeita de cinomose, mas no ato da entrega, ele mordeu a dona e ficou em observação e teve seu material coletado. “A raiva sempre nos preocupa, estamos fazendo ainda a vacinação duas vezes ao ano, em cada casa. As pessoas estão tendo mais consciência de que quando são agredidas, precisam procurar uma unidade de saúde, tanto é que o número de observações aumentou e isso é muito importante”, afirmou Walkíria.
 
Segundo a veterinária, a principal dificuldade que Corumbá enfrenta para o controle da raiva é o grande número de cães soltos nas ruas. “A gente orienta as pessoas para não deixarem seus cães saírem de casa, mas os moradores tem o hábito de soltar o animal para fazer suas necessidades na rua e é nessa hora que o cachorro fica suscetível a doenças. Raiva é sempre tensão, sempre coletamos material e fazemos o processo preconizado pelo Ministério da Saúde”, disse a chefe do CCZ.

Ela frisou que não é recomendada a aglomeração de animais por causa da possibilidade de disseminação da raiva e outras doenças. “Por isso, nossa vacinação é de casa em casa, para não ter aglomeração. Esse protocolo é por dois anos, nesse período não pode haver nenhum caso, mas já tivemos um este ano, em abril. Pedimos muito a colaboração de quem faz eventos de que não pode haver essa aglomeração de cães”, disse Walkíria Arruda.
 
Os principais transmissores da raiva são animais silvestres como morcegos, gambás e macacos. Em Corumbá, o morcego é o principal transmissor da doença aos cães e gatos. Considerada incurável em animais e fatal em quase 100% dos casos em humanos, a raiva é a zoonose mais grave ainda em circulação no município. Os principais sintomas em animais são agressividade, salivação excessiva e paralisia.
 
O CCZ alerta para que pessoas que tenham tido contato com animais de rua e tenham recebido algum tipo de ataque, por meio de mordida ou arranhão, procurem uma unidade de saúde de maneira urgente. É importante saber também que a raiva pode ser transmitida pela lambida do animal infectado, já que o cão ou gato pode estar doente, com sintomas como salivação e tristeza, mas não apresentar agressividade. Animais domésticos que nunca foram vacinados ou que só tomaram uma dose da antirrábica na vida, e que apresentarem os sintomas da doença, devem ser isolados e o CCZ acionado.
 
Serviço - O Centro de Controle de Zoonoses fica localizado no bairro Guaicurus, na rua Bernardino Alves do Couto, nº 71. O telefone de contato é o 3233-2783.

 

Veja Também

SUS tem quase R$ 2 bilhões a receber das operadoras de planos de saúde
Iceberg se aproxima de vilarejo e leva ameaça de tsunami
Direitos Humanos Conanda cobra liberação de R$ 56 milhões de Fundo da Criança Órgão recorreu ao Ministério Público para liberar recursos
Maior sorteio do país acumula mais uma vez
Comissão aprova indenização a filhos de vítimas de violência
Coordenadoria da Mulher em Dourados já prepara o ‘Agosto Lilás’
Três Lagoas: recadastramento do passe escolar começa na segunda-feira
Pediatras brasileiros criticam investida dos EUA contra amamentação
'Não tem como ficar calada', diz mãe de Marielle
Setor siderúrgico quer mudar lei para aproveitamento de material lenhoso