Menu
18 de junho de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Nacional

BNDES defende indicação de administrador interino para JBS

Banco detém 21,3% do capital da empresa por meio de sua subsidiária

13 Set2017Agência Brasil15h25

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) defendeu hoje (13) a indicação de um administrador interino para a JBS, como recomenda a Lei 6.404/76, conhecida como Lei das S.A. O BNDES detém 21,3% do capital da empresa por meio de sua subsidiária BNDESPar.

Em nota divulgada nesta quarta-feira, após a prisão do presidente executivo (CEO) da JBS, Wesley Batista, o BNDES sugere que o Conselho de Administração da companhia escolha um “administrador interino”. Segundo a instituição, o início do processo de renovação dos quadros estatutários da JBS, “inclusive com a abertura de um processo seletivo para a escolha de um novo CEO para a empresa em caráter definitivo”, pode contribuir para a preservação da empresa.

O BNDES reafirmou que é favorável à realização de assembleia geral extraordinária para deliberar sobre as medidas necessárias à defesa dos direitos e interesses da empresa e referentes às responsabilidades "pelos prejuízos causados por administradores, ex-administradores e controladores envolvidos em atos ilícitos por eles já confessados”.

O banco recorreu da decisão judicial que, no dia 1º deste mês, suspendeu a realização da assembleia por 15 dias e propõe que esta seja realizada o mais rápido possível “e sem o conflito de interesses que seria caracterizado pelo voto dos controladores. Essa questão "foi levantada pela BNDESPar, em conjunto com a Caixa Econômica Federal, e acolhida pelo Judiciário de primeira instância em decisão liminar”, diz a nota. O banco mantém sua intenção de voto na assembleia.

Também envolvendo a JBS, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), autarquia que regula e fiscaliza o mercado de capitais, divulgou nota hoje (13) na qual reafirma a cooperação com a Polícia Federal (PF) na Operação Tendão de Aquiles, cujo objetivo é apurar uso indevido de informações privilegiadas (insider trading) envolvendo ações da empresa no mercado à vista e em operações feitas pela companhia no mercado futuro nos meses de abril e maio deste ano.

A PF deflagrou nesta quarta-feira a segunda fase da Operação Tendão de Aquiles, em São Paulo, cumprindo mandados de busca, apreensão e prisão preventiva contra administradores da JBS e da FB Participações.

Embora a CVM não tenha participado diretamente dessa etapa, reafirmou que continua atuando de forma conjunta com a PF, por meio de acordo de cooperação firmado em 2010. À comissão cabe, “neste momento, realizar análises e apurações no âmbito administrativo com escopo e nuances específicas a ele inerentes”, destaca a nota.

Atualmente, 13 processos e inquéritos administrativos sobre a JBS estão em andamento na CVM.

 

Veja Também

Prefeitura entrega cobertores para famílias carentes da Capital
Seja Digital intensifica agendamentos nos CRAS  a partir de segunda
Entidades de classe defendem Plano Diretor da Capital
Comissão aprova vacinação obrigatória e gratuita contra leishmaniose
Curso orienta sobre alimentação e não desperdício de alimentos
Limpeza em lagoa resulta na retirada de 50 sacos de lixo
Incêndio destrói depósito de recicláveis
Portugal libera uso da maconha para fins medicinais
Médico lança 'Dicionário de Saúde e Segurança do Trabalhador'
Obras e projetos anunciados para a Capital