Menu
20 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner ALMS - Parlamento Jovem
Aero Rancho

Bairro mais populoso é o primeiro a receber luzes de LED

Novas luminárias são mais econômicas e instalação começou pela periferia

12 Set2016Valdelice Bonifácio e Marcos Tenório, especial para o Diário Digital07h16

Começou pelo bairro mais populoso de Campo Grande, o Aero Rancho, a instalação das lâmpadas de LED, prometidas pela prefeitura, em substituição às convencionais. Desde a semana  passada, operários trabalham nas ruas do bairro fazendo a troca das luminárias. As lâmpadas de LED consomem 89% menos energia elétrica em relação às convencionais.

A prefeitura não divulgou cronograma de instalação das novas luminárias em Campo Grande e nem a amplitude do projeto. Contudo, estima-se que o município pretenda substituir cerca de nove mil lâmpadas comuns pelas de LED. No Aero Rancho moram cerca de 36 mil pessoas. 

A substituição das luminárias está sob responsabilidade da Solar Distribuição e Transmissão Ltda, de Minas Gerais, empresa escolhida em pregão presencial. Conforme extrato publicado pela prefeitura no Diário Oficial, em 31 de agosto, a Solar é a responsável pelo fornecimento e instalação das lâmpadas. O contrato com a empresa está custando R$ 33,8 milhões aos cofres públicos.  

A troca das lâmpadas no Aero Rancho começou exatamente no dia seguinte à decisão  judicial a favor da prefeitura em relação à cobrança da Contribuição para o Custeio da Iluminação Pública (Cosip).O juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e  Individuais Homogêneos determinou que a concessionária Energisa voltasse a cobrar a taxa e a repassar o valor à prefeitura de Campo Grande. 

Na semana anterior, em julgamento no Órgão Especial, os desembargadores do Tribunal de Justiça tinham mantido suspensa a cobrança da taxa. Contudo, a prefeitura moveu nova ação judicial em primeira instância contra a Energisa e obteve a decisão favorável. A Câmara Municipal de Campo Grande, autora da lei que suspendeu a cobrança da taxa por 180 dias, pretende recorrer da decisão do juiz David de Oliveira Gomes Filho. 

Veja Também

Clima Temperatura máxima de 29° na Capital Apesar da garoa no início do dia a temperatura deve se elevar
ONU testa drones para combater mosquitos nocivos no Brasil
Delatores são absolvidos em julgamento fechado
Incrições abertas para aulas de natação em Três Lagoas
Prefeitura decreta ponto facultativo no dia 30 de abril de 2018
MPF cobra fornecimento de água potável a comunidade indígena
Presídios de MS terão 1,1 mil vagas em cursos profissionalizantes para detentos
Vacinação sem escalonamento na Capital
Jornalistas de Rede MS homenageados na Câmara Municipal
Investimento na MS-156 diminui tempo da viagem pela metade