Campo Grande •26 de Setembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Super banner Governo MS - Semana nacional do trânsito

Agência Brasil | Domingo, 12 de Março de 2017 - 14h55Ato no Rio de Janeiro mobiliza população para o desaparecimento de criançasSão registrados no Brasil em média, 50 mil casos de desaparecimento

(Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Um ato promovido neste domingo (12) na Praia de Copacabana buscou mobilizar a população para um drama que afeta milhares de famílias no país. Estima-se que existam cerca de 250 mil crianças e adolescentes desaparecidos no Brasil.

A iniciativa da ação é do Conselho Federal de Medicina (CFM), do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) e da Sociedade Brasileira de Pediatria. A atividade faz parte da Semana de Mobilização Nacional para Busca e Defesa da Criança Desaparecida.

Ricardo Paiva, integrante da Comissão de Ações Sociais do CFM, disse que uma das reivindicações das entidades é para que o cadastro nacional de desaparecimentos realmente funcione. Outra demanda é que todos os boletins de ocorrência com registro de desaparecimento de crianças e adolescentes sejam notificados obrigatoriamente ao Ministério da Justiça.

Outra bandeira das entidades é a criação de uma carteira de identidade unificada, já que a possibilidade de se obter o documento em 27 unidades da Federação facilita o desaparecimento e o tráfico de crianças, segundo Paiva.

“Existe a Lei da Busca Imediata [Lei nº11.259/2005] que nem a polícia sabe que existe. Não precisa esperar 48 horas, é para começar a busca na hora [em que for notificado o desaparecimento de criança ou de adolescente]. Esse tema é doloroso, mas existem recomendações de como evitar e de como proceder se ocorrer o desaparecimento”, explicou Paiva.

Rio de Janeiro - Campanha divulga informações de como evitar um desaparecimento de criança e adolescente e repassam alertas sobre medidas que contribuem para a prevenção ao problema à atividade faz parte da Semana d

A Comissão de Ações Sociais do CFM chama atenção para números alarmantes: no Brasil, são registrados, em média, 50 mil casos de desaparecimento de crianças e adolescentes por ano. São Paulo detém cerca de 30% desse número, seguido do Rio de Janeiro e de estados do Nordeste. Ainda que a maioria dos desaparecimentos seja solucionada nas primeiras 48 horas, existe um percentual de 15% a 20% de crianças e adolescentes que não são encontrados por um longo período de tempo.

“Muitas dessas crianças vão parar em trabalho escravo, adoção ilegal e exploração sexual de menores”, disse o presidente do Cremerj, Nelson Nahon. “É uma semana de conscientização e de alerta para medidas preventivas: por exemplo, que os pais coloquem pulseiras de identificação nas crianças quando vão à praia e a eventos.”

Paulo da Cruz Silva, de 45 anos, pai de Kelvem, conta que o filho que foi arrancado dos braços da mãe quando tinha 10 meses, em 23 de fevereiro de 2005. Segundo Silva, o menino foi levado por duas mulheres e um rapaz e nunca mais foi visto.

“Daquele dia em diante, nossa vida praticamente acabou. Minha mulher ficou com problema psicológico. Eu era motorista de ônibus e nunca mais pude dirigir um ônibus. Eu não tinha mais condições de nada. Tem 12 anos que carrego essa dor”, recordou. “Foi como procurar agulha no palheiro.”

Depois de Kelvem, o casal teve mais três filhos, hoje com 11, 8 e 3 anos. “Você pensa que vai amenizar tendo outros filhos, mas não ameniza. É para sempre. O problema só aumenta. Nunca parei e não pretendo parar de buscá-lo. Só quando Deus me levar ou trouxer meu filho de volta”, disse Silva.

Como evitar o desaparecimento

  • Desde cedo, ensine à criança o nome completo e o telefone dos responsáveis.
  • Faça, o quanto antes, a carteira de identidade da criança.
  • Oriente a criança a não dar informações a qualquer estranho que se aproxime.
  • Ensine a criança a não aceitar alimento, falar ou sair com estranhos ou pessoas não autorizadas.
  • Converse com seu filho, procure conhecer os amigos dele e saber com quem ele fala.
  • Fique atento ao que o adolescente e a criança fazem na internet.
  • Não deixe uma criança pequena brincar na rua sem a supervisão de um adulto.
  • Acompanhe sempre a vida de seu filho.

Como proceder após o desaparecimento

  • Denuncie imediatamente o desaparecimento à polícia e faça o boletim de ocorrência.
  • Divulgue, o mais rápido, uma foto recente nas redes sociais, nas televisões e nos jornais.
  • Procure o Conselho Tutelar de sua cidade.
  • Disque 100. A ligação é gratuita.
Veja Também
Terça, 26 de Setembro de 2017 - 06h38Previsão de chuvas para a tarde Expectativa é que ocorram chuvas isoladas em Campo Grande
Univesidades promove conscientização sobre o suicídio nesta terça-feira
Prevenção e erradicação do trabalho infantil são tema de seminário
Ex-gerente da Petrobras é condenado a mais de 15 anos de prisão
Carreta da Justiça atende comarca de Paraíso das Águas de 2 a 5 de outubro
Como proteger as crianças de acidentes domésticos
Horário de verão começa no do dia 15 de outubro
Em Dourados, mais um acesso à BR-163 é reaberto
Telhado de almoxarifado municipal de Três Lagoas desaba
Dinheiro de penas financia construção de quartos para idosos hansenianos
Square Noticias UCDB
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
DothShop
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento