Campo Grande • 02 de dezembro de 2016 • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da Agência Brasil | terça, 13 de setembro de 2016 - 08h27Atletas com paralisia destacam papel da bocha na volta por cimaTerminar paralimpíada com medalha no peito é, para qualquer atleta, sensação de trabalho bem feito

Brasileiros Antônio Leme, Evelyn de Oliveira e Evani Soares da Silva disputam final da bocha BC3 contra equipe da Coreia do Sul nos Jogos Paralímpicos Rio 2016
Brasileiros Antônio Leme, Evelyn de Oliveira e Evani Soares da Silva disputam final da bocha BC3 contra equipe da Coreia do Sul nos Jogos Paralímpicos Rio 2016 (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Terminar a paralimpíada com uma medalha no peito é, para qualquer atleta, a sensação de um trabalho bem feito, do dever cumprido. Quando deixaram o pódio na tarde dessa segunda-feira (12), Dirceu Pinto, Eliseu dos Santos e Marcelo dos Santos também cumpriram mais uma etapa de um objetivo traçado por eles: divulgar a bocha adaptada e mostrar que a vida não termina quando a cadeira de rodas começa.

“Espero que, por meio das medalhas que têm sido conquistadas, abram-se as portas para que as pessoas deficientes que estão trancadas dentro de casa, pessoas que têm a mobilidade reduzida, que elas possam praticar a bocha, que possam voltar ao convívio da sociedade e praticar um esporte”, disse Marcelo dos Santos.

Dirceu, ouro em Pequim e Londres, e prata no Rio, descobriu na bocha uma forma de voltar à ativa. Ele sofre de distrofia pélvica de cinturas, doença degenerativa que lhe tirou a força das pernas. “Muitas pessoas ficam dentro de casa e não conhecem os esportes paralímpicos ainda. De 19 aos 22 anos eu só ficava em casa, com depressão. Quando conheci a bocha, minha vida mudou”.

Ele usa o próprio exemplo para motivar outras pessoas a descobrirem o esporte e mudar de vida. “Para mim, é especial divulgar essa modalidade porque temos paralisados cerebrais graves, que não conseguem nem falar, lesados medulares, que ficam só em casa, vendo a vida passar. Quando a pessoa conhece a bocha, a vida dela tem de novo um sentido. Hoje, eu viajo o Brasil e o mundo todo trazendo resultados para o nosso país. Dou essa medalha de prata para todos os brasileiros, com ou sem deficiência”.

Esporte como terapia

Eliseu e Marcelo são irmãos. Os dois sofrem da mesma doença, a distrofia muscular progressiva. Eles usam o esporte para auxiliar, junto com o tratamento médico e a fisioterapia, a frear a evolução da doença, que encurta os membros. “A bocha é um esporte que as pessoas com maior grau de comprometimento podem praticar, podem ir para uma paralimpíada. Nosso objetivo é que mais pessoas possam sair de casa, praticar o esporte ou simplesmente praticar o esporte socialmente e estar aqui com a gente”, disse Eliseu.

Evani da Silva joga na categoria BC3, para paralisados cerebrais com maior comprometimento dos movimentos. Ela usa um capacete com uma vareta para empurrar a bola por uma calha, além de ser ajudada por outra pessoa. Ela começou a praticar o esporte em 2010 e seis anos depois deixou a Arena Carioca 2 com uma medalha de ouro no peito.

“Para mim, o importante é mostrar que nada é impossível. Há atletas com mobilidade muito mais reduzida e que jogam. A gente mostra para ninguém ficar em casa. Corram atrás dos seus sonhos, busquem o que vocês querem”.

Evelyn de Oliveira tem atrofia muscular espinhal, não tendo movimentos nos membros inferiores. Evelyn saía pouco, limitava sua convivência social aos estudos. Quando conheceu a bocha, aos 22 anos, mudou sua maneira de encarar a vida e leva para casa a primeira medalha de ouro em paralimpíada.

“Eu sou um exemplo vivo, o esporte foi uma ferramenta transformadora na minha vida. Eu vivia essa realidade da pessoa com deficiência, dentro de casa, só estudava, não tinha muito contato com a sociedade. Passei a praticar o esporte e descobri que limites que eu acreditava que tinha, na verdade não existiam”.

Veja Também
Incêndio destrói veículo na periferia da Capital
Tribunal suspende reajuste da tarifa de ônibus
sexta, 02 de dezembro de 2016 - 18h57Cerca de 900 jornalistas de 14 países cobrirão velório coletivo da Chapecoense Jornalista apontou a necessidade de tomar cuidado para não aumentar os fatos
sexta, 02 de dezembro de 2016 - 18h18ANS suspende a comercialização de planos de saúde Serão suspensos 69 planos de saúde de 11 operadoras
Aviões da FAB chegam à Colômbia para buscar corpos de vítimas de acidente
Centro Obstétrico da Santa Casa será inaugurado dia 8 de dezembro
Cabeleireira Marcela Guedes estará em Campo Grande nos dias 4 e 5 de dezembro
Ministro destaca esforço conjunto contra dengue
Governo de MS entrega resfriadores e ordenhadeiras para pequenos produtores
SUS incorpora quatro remédios para tratamento da hepatite C
square noticias uci
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
DothNews
Rec banner - cirurgia.net
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2016 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento