Menu
21 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
A partir de hoje

Atendendo mais de 200 por dia, Pronto Socorro vai atender apenas casos urgentes

Atendimentos começam a ser restringidos hoje, 10

10 Fev2017Dayene Paz11h16

Com um fluxo de atendimento de mais de 200 pessoas por dia, o Pronto Socorro da Santa Casa não atenderá, por tempo indeterminado, casos que não forem de urgência e emergência. “Não vamos atender qualquer internação sem a senha do Samu, ou sem a senha da regulação”, afirma o presidente da Associação Beneficente de Campo Grande, Esacheu Nascimento.

Os atendimentos começam a ser restringidos hoje, 10, como também uma forma de diminuir a demanda do interior do Estado, que representa 30% do atendimento. “Se a pessoa chegar aqui e não for um caso grave, vamos pedir para ela se encaminhar a Upa. Estamos conscientizando a população que não deve vir”, afirma o presidente. Esacheu fala que o prejuízo com o Pronto Socorro é de cerca de R$ 4 milhões. “A Santa Casa tem prejuízo da ordem de cerca de 4 milhões, que o município não paga”.

“Até o dia 31 de março o município tem que dar solução, ou paga a Santa Casa ou comanda o serviço”, termina o presidente. 

O objetivo é que sejam atendidos apenas pacientes com encaminhamento médico e que tenham passado pela central de regulação, medida que já foi adotada no Hospital Regional, como forma de desafogar o setor. 

A decisão foi tomada nesta quinta-feira, 9 de fevereiro, após uma reunião da diretoria da Santa Casa.

Veja Também

ONU celebra suspensão de testes nucleares da Coreia do Norte
Mais de 1,4 mil travestis e transexuais pediram nome social no título
Obra de drenangem interdita trecho da Leão Neto na segunda-feira
Ponte de concreto para substituir a que caiu está 91% concluída
Confira os 12 erros mais cometidos na Declaração do IR
Tribunais e cartórios de MS serão inspecionados
Usando arte, evento alerta contra a cultura do estupro
Homem morre afogado após veículo cair em rio
Aposta feita em Brasília fatura mais de R$ 9 milhões na Mega-Sena
Fiocruz fabricará remédios contra HIV e hepatite C para ofertar no SUS