Campo Grande •24 de Setembro de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Super banner Governo MS - Semana nacional do trânsito

Giselli Figueiredo, de Aquidauana, em colaboração para o Diário Digital | Quarta, 6 de Setembro de 2017 - 17h35Após recusa em hospital, criança morre de meningitePais de Moisés Eduardo, de 4 anos, vão denunciar o caso à polícia em Aquidauana

  
(Foto: Arquivo Pessoal)
  • (Foto: Divulgação)
  • (Foto: Arquivo Pessoal)

A tristeza toma conta do casal Danilo Silva e Jucimara Rodrigues, moradores em Aquidauana. O filho mais novo do casal, Moisés Eduardo, de 4 anos, que antes era a alegria da família, junto com sua irmã de 8 anos, agora é uma estrelinha que brilha no céu. O menino morreu diagnosticado com meningite bacteriana, na Santa Casa da Capital.

A saga da família começou, quando o menino se queixou de dores no ouvido e os pais verificaram que ele também estava com febre. De imediato o pai levou o filho para atendimento no Posto de Saúde no bairro São Francisco. Moisés foi diagnosticado com otite (infecção de ouvido). O médico, um clínico geral, orientou o pai procurar o Hospital Regional de Aquidauana caso a febre não baixasse.

Conforme orientação médica, Danilo levou Moisés para o Hospital Regional da cidade, já que ele apresentava dores, vômitos e febre de 38,9 graus. Segundo o pai, mais medicamentos para a suposta otite foi passado e nada da criança apresentar melhoras.

Segundo a família, o menino, então alegre e sorridente, ficava no quarto, quietinho, gemendo de dor. “Mas confiamos nos médicos, se eles diagnosticaram com otite, nós acreditamos”, contou a mãe desolada.

Na noite de quinta-feira (31), Jucimara ligou no Hospital e foi informada que tinha uma pediatra no local. Ela então pediu ao marido que levasse Moisés até lá. Ele então pegou o menino, que estava se revirando de dor e levou até o hospital. Segundo ele, ouviu do enfermeiro “você de novo aqui?”, comprovando as outras vezes que os pais buscaram atendimento no local.

Danilo então implorou para que o filho fosse atendido pela pediatra, mas o pedido foi negado, mesmo todos vendo a situação da criança, foi informado que a especialista estava atendendo o setor de pediatria do hospital. Um clínico geral então atendeu o menino novamente e receitou uma injeção de Benzetacil para estabilizar a vítima.

Danilo e Jucimara foram enfáticos ao dizer que em nenhum momento fizeram exames em Moisés.

Foi na madrugada de sexta-feira (01), por volta das 04 horas da manhã, que a criança deu um suspiro forte de dor, ela dormia ao lado mãe, que ao ligar a luz, viu que o menino estava espumando pela boca e sem reação nenhuma.

Os pais então correram com a criança novamente para o Hospital Regional de Aquidauana. Segundo Danilo e Jucimara, mais uma vez ouviram “vocês de novo aqui”, quando o pai implorou por atendimento, dizendo que o filho estava desfalecido dentro do carro.

Vendo a situação da criança, chamaram a pediatra que ao ver Moisés, o encaminhou às pressas para a Santa Casa da Capital. Ao chegar na Capital, uma pediatra aguardava o pequeno paciente e ao ver a situação da criança já sinalizou que poderia ser meningite bacteriana. Segundo Danilo, a equipe médica ficou espantada com o estado clínico do menino.

Da entrada na Santa Casa até o falecimento de Moisés foram horas de angústia e sofrimento. Os médicos se revezavam junto com enfermeiros, no cuidado com o garoto, mas uma parada cardíaca colocou fim as esperanças dos pais em ver o filho voltar pra casa curado.

“Um pouco antes foi constatada a morte encefálica do meu filho, fizeram três testes para trazer a confirmação, mas mesmo assim eu queria ele de volta, não tenho o que reclamar do atendimento da equipe da Santa Casa, eles fizeram de tudo para salvar meu filho, nos trataram com dignidade, ao contrário do hospital daqui”, contou Danilo.

Danilo e Jucimara comentaram que o atendimento em Campo Grande foi totalmente diferente da maneira como foram atendidos em Aquidauana. “Todos no hospital ficaram sensibilizados com a história da família, que tratava uma criança com remédios para otite e nenhum exame foi feito, mesmo vários profissionais verem o estado de Moisés, a gente só ouvia ‘vocês de novo aqui?’”, comentaram

“Eu não condeno o médico do posto de saúde. Ele é clínico geral e a meu ver fez o procedimento correto, mesmo dizendo que meu filho poderia estar com otite, disse que qualquer alteração era pra eu encaminha-lo de imediato para o Hospital e assim eu fiz”, contou o pai emocionado.

Danilo disse que procurou a Delegacia de Polícia de Aquidauana para registrar boletim de ocorrência, os policiais então o orientaram a solicitar o prontuário médico dos atendimentos no Hospital do município. “Já fiz a solicitação, disseram para eu buscar na sexta-feira, caso não disponibilizem, vou buscar respaldo jurídico”, disse.

A família deu adeus ao pequeno Moisés no último domingo (03) e dele vai ficar a lembrança de uma criança iluminada e amada e o sorriso com as simpáticas covinhas no rostinho.

O Diário Digital entrou em contato com a direção do Hospital Regional de Aquidauana, solicitando posição sobre o caso, mas até o fechamento da matéria, não obtivemos retorno.

Veja Também
Projeto facilita retirada de conteúdos da internet que induzam ao suicídio
Corumbá vai substituir nove mil lâmpadas comuns por LED
Parceria combate discriminação por orientação sexual
Nova espécie de aranha é descoberta em MS
Aviões militares dos Estados Unidos voam perto da Coreia do Norte
MPE investigará denúncia de corrupção na Câmara de Ivinhema
Prova para revalidar diploma de medicina obtido em outros países será amanhã
Governo promove palestra de prevenção ao suicídio para servidores
Três Lagoas implanta super antivírus para proteger dados
MPF denuncia seis pessoas por falsificação de documentos
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
Rec banner - Patio central
DothShop
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento