Menu
21 de outubro de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner CCR-MS Via
Dia dos pais

Após morte de filha, pai desenvolve robô que ajuda a salvar vidas de bebês

Robô recebeu o nome da filha falecida, Laura

12 Ago2018Agência do Rádio Mais14h15

Dia dos pais. Data comemorativa, de alegria e amor. Agora imagine perder uma filha apenas 18 dias depois de seu nascimento. Doloroso, não? E se você tirar forças desse momento triste para poder ajudar outras famílias? Foi isso que fez o analista de sistemas Jacson Fresatto, responsável por desenvolver o Robô Laura, nome em homenagem à filha falecida precocemente devido a uma grave infecção.

Em 2010, a filha do curitibano nasceu prematura e foi internada em uma UTI Neonatal de um hospital da cidade. A criança foi detectada com sepse, uma grave infecção hospitalar. A doença fez com que Laura partisse com apenas 18 dias de vida.

Qual ser humano é capaz de cuidar, ao mesmo tempo, de dezenas de pacientes internados? Perceber se o estado de saúde desses enfermos se agravou e alertar a equipe médica? Só um robô mesmo.. O robô Laura.

O Robô Laura foi desenvolvido para gerenciar os riscos na área hospitalar através de tecnologias que analisam os bancos de dados de instituições de saúde para aumentar a eficiência do atendimento prestado por elas. O objetivo do Laura é encontrar falhas operacionais e informar às pessoas responsáveis a tempo para que se possa poupar tempo, recursos e até vidas que poderiam vir a ser perdidas devido a infecções graves. É o que explica o desenvolvedor do projeto, Jacson Fresatto.

“Quando eu comecei a estudar a respeito do que tinha causado a morte dela, que era a sepse, eu entendi que não era um problema só de hospitais públicos ou do nosso país. É uma circunstância que acontece em todos os lugares do mundo. Eu entendi que a tecnologia podia ajudar muito porque se tratava de informações que já existiam, que estavam registradas em algum lugar, e que precisavam ser apenas resumidas, em tempo hábil, para que a equipe médica pudesse tomar a decisão de qual procedimento adotar. Então foi isto que motivou a construção da tecnologia.”

O sistema conversa diretamente com a área operacional e gerencia riscos através de computação cognitiva, tecnologia que permite que ele aprenda de acordo com novas informações e possa se adaptar a novas circunstâncias. As equipes hospitalares também podem se comunicar com o robô através de computadores ou dispositivos móveis e, em caso de necessidade, podem alertar médicos ou enfermeiras sobre pacientes que precisem de atenção imediata através de mensagens de celular.

O Robô Laura se comunica com enfermeiros e médicos através de terminais no hospital. Quando algum paciente requer atenção, esta informação é exibida com um alerta de urgência mínimo. Se o pedido não for respondido, uma ferramenta chamada “Ansiedade de Laura” entra em ação, deixando a cor do monitor cada vez mais vermelha, o que significa um aumento da urgência do caso. Se necessário, o robô pode entrar em contato com médicos responsáveis.

Recentemente, o Robô Laura foi selecionado para integrar um programa do Banco Mundial que estimula empreendedores que investem em projetos de inovação para a saúde. Segundo o Instituto Latino Americano de Sepse, tipo de infecção responsável pela morte de Laura, em 2017, 20,6% dos pacientes que foram infectados vieram a óbito. Ou seja, um em cada cinco infectados morreram em decorrência do problema. Com o Robô Laura, certamente esse número será reduzido. Atualmente, o Robô Laura é utilizado cinco hospitais, nas cidades de Curitiba e Londrina.

Veja Também

Ação pela Paz terá serviços gratuitos na praça Belmar Fidalgo
Três Lagoas promete maior rigor contra descarte irregular de lixo
UFMS faz campanha divertida pela preservação de livros
Samu de Dourados alerta para ‘fake news’ sobre emprego
Corumbá oferece 150 exames de mamografia para livre demanda até dia 31
UFGD repudia símbolo nazista em cartaz da universidade
Alunos da Reme premiados em concurso de educação ambiental
Cartilha do Jovem Cinsumidor ganha 2ª edição
Anvisa aprova novos tratamentos contra o câncer
Estudo relaciona 12% das mortes por câncer de mama ao sedentarismo