Campo Grande •17 de Agosto de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner FM Cidade

Da redação | Quarta, 26 de Julho de 2017 - 16h54Apneia do sono prejudica o equilíbrio da mente e do corpoPrevalência é maior em idosos, obesos e mulheres na pós-menopausa

(Foto: Pixabay.com)

Além de um incômodo para quem dorme junto, o ronco também prejudica a qualidade de vida de quem é o “roncador”. Segundo dados divulgados em artigo de 2015 do Instituto do Sono da Universidade de São Paulo, cerca de 54% da população brasileira adulta sofre com o ronco. A prevalência é maior em idosos, obesos e mulheres na pós-menopausa.

O ronco pode ser um sintoma da apneia obstrutiva do sono, condição que se caracteriza pela obstrução parcial ou total das vias aéreas. A obstrução é recorrente durante a noite, com interrupções da respiração. 

A apneia é grave?

O nível de gravidade da condição é delimitado pela quantidade de vezes em que ocorrem as paradas de respiração a cada hora de sono. 

Apneia leve: 5 a 15 paradas por hora
Apneia moderada: 15 a 30 paradas por hora
Apneia grave: mais de 30 paradas por hora

Essas paradas durante o sono causam uma série de problemas ao corpo. O sangue recebe menos oxigenação, o sistema nervoso autônomo sofre alterações, e o metabolismo sofre os impactos. Podem surgir ou se agravar doenças e quadros como aterosclerose, hipertensão, obesidade, que são caminhos para as doenças cardiovasculares. Além disso, quando essas condições se reúnem, há um crescimento no risco de AVC, arritmias e infartos. 

Tratamentos

É preciso buscar tratamento especializado, pois as interrupções durante o sono podem causar dificuldade de concentração e sonolência excessiva durante o dia, além de irritabilidade, alterações na libido, cefaléia, obesidade e impotência sexual, entre outros diversos problemas que um sono de má qualidade pode acarretar ao organismo 

O diagnóstico é feito a partir da história clínica do paciente, exames físicos e pelo teste de registro do sono (polissonografia). Entre as medidas tomadas para aliviar o quadro estão a mudança na posição de dormir, a perda de peso, a suspensão do consumo de bebidas alcoólicas e sedativos, o uso de aparelhos específicos e tratamento fonoaudiológico. Em casos de alterações no queixo e na mandíbula que impactem na entrada de ar, a cirurgia buco maxilo facial pode ser a alternativa ideal.

Veja Também
Capital inaugura casa de acolhimento para pessoas com deficiência
Três Lagoas intensifica vacinação contra HPV e Meningite
Estudante do IFMS é selecionado para o Parlamento Jovem Brasileiro
Mais de 40% dos flagrantes de violência contra a mulher resultam em prisão
Regional abre portas do PAM e desagrada prefeitura
STF nega indenização a MT por criação de parque indígena
CMO abre portões à comunidade no dia 27 de agosto
Enfermagem da Uems tem primeiro grupo de acadêmicos no Samu
MS poderá ter Cadastro de Condenados por Racismo ou Injúria Racial
Indígenas bloqueiam rodovia entre Dourados e Itaporã
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - Patio central
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento