Campo Grande •17 de Agosto de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full Banner FM Cidade

Valdelice Bonifácio | Sábado, 15 de Julho de 2017 - 09h10Apesar de protestos, Centro de Línguas será fechadoFuncionários das unidades da Capital e Dourados serão remanejados, segundo a SED

Estabelecimento foi criado por decreto para atender prioritariamente alunos de escolas públicas
Estabelecimento foi criado por decreto para atender prioritariamente alunos de escolas públicas (Foto: Marco Miatelo)

Apesar dos protestos da comunidade escolar e de críticas feitas por deputados estaduais, o governo do Estado confirmou que fechará as unidades do Centro Estadual de Línguas e Libras (CEL) Professor Fernando Peralta Filho que atualmente funcionam em Campo Grande e Dourados. O motivo é que as unidades não estariam atendendo prioritariamente o público para o qual foi criado, que são alunos de escolas públicas. Os funcionários de ambas unidades serão remanejados.

Em nota encaminhada à imprensa, a Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso do Sul (SED) informa que o estabelecimento foi criado por decreto publicado em 2011 para atender prioritariamente, a estudantes que cursam o ensino médio e suas modalidades nas redes públicas de ensino – ou aqueles que são bolsistas em escolas particulares.

“Porém, entre o público atendido em Campo Grande e Dourados, atualmente, menos de 25% são de estudantes que se encaixam nesse perfil”, justificou a Secretaria. A destinação dos prédios que atualmente abrigam o Centro de Línguas em Campo Grande e Dourados está em estudo. A expectativa é de que o fechamento ocorra em dois meses.

A SED afirma que não haverá prejuízos para a formação dos alunos da rede pública, uma vez que os estudantes já são contemplados, na grade curricular da Educação Básica, desde o sexto ano do Ensino Fundamental, com aulas de Inglês ou Espanhol. Além disso, sete escolas da Rede Estadual na Capital ofertam cursos de Libras, segundo a SED.

“Nesse sentido, considerando o contexto atual e o fato de que o CEL não está vinculado ao atendimento dos aspectos prioritários da Educação Básica prevista em legislação, a SED dará início ao processo de descontinuidade dos módulos dos cursos atualmente em andamento no CEL”, diz a secretaria.

Ainda de acordo com a SED, os módulos de cursos que estão em andamento serão finalizados, conforme programação. “Após a conclusão dos estudos, profissionais efetivos que atuam no CEL serão remanejados para outras unidades da Rede Estadual de Ensino”, explica o órgão.

Protestos – Nesta semana, professores, funcionários e alunos do CEL de Campo Grande realizaram protesto público em frente à unidade contra o fechamento do local. Também houve repercussão na Assembleia Legislativa onde o deputado estadual Pedro Kemp (PT) puxou o debate sobre o assunto.

“Foi alegado falta de recursos para manter o Centro, que atendia o pessoal de baixa renda no ensino de diversas línguas, que era a oportunidade que tinham para se preparar para faculdade e mercado de trabalho. Segundo depoimento de diversos alunos, o ensino era muito qualificado. Lamentamos muito”, disse o parlamentar.

Veja Também
Capital inaugura casa de acolhimento para pessoas com deficiência
Três Lagoas intensifica vacinação contra HPV e Meningite
Estudante do IFMS é selecionado para o Parlamento Jovem Brasileiro
Mais de 40% dos flagrantes de violência contra a mulher resultam em prisão
Regional abre portas do PAM e desagrada prefeitura
STF nega indenização a MT por criação de parque indígena
CMO abre portões à comunidade no dia 27 de agosto
Enfermagem da Uems tem primeiro grupo de acadêmicos no Samu
MS poderá ter Cadastro de Condenados por Racismo ou Injúria Racial
Indígenas bloqueiam rodovia entre Dourados e Itaporã
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
Rec banner - Patio central
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento