Menu
20 de janeiro de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Saneamento básico

Insípido, inodoro e incolor

Água potável nos bairros da periferia da capital com redução de perdas

8 Nov2018Da redação07h03
Foto: Luciano Muta
  • Qualidade da água fornecida nos bairros é busca constante
  • Foto: Luciano Muta
  • Foto: Luciano Muta
  • Foto: Luciano Muta
  • Foto: Luciano Muta
  • Foto: Luciano Muta
  • Foto: Luciano Muta
  • Foto: Luciano Muta
  • Foto: Luciano Muta
  • Foto: Luciano Muta

Com o avanço da tecnologia, a chegada de água tratada de qualidade a populações de baixa renda mantém um aumento crescente na capital. Ela já chega para mais de 99% das residências e os índices de perdas de água são referência no país: enquanto a media nacional é de 40%, em Campo Grande este número é de 20%.

Pequenos gestos diários, quase imperceptíveis, resultam neste índice negativo, entre eles, o desperdício, com uso inadequado da água potável, além de vazamentos que demoram para serem identificados e consertados.

Ainda assim, Campo Grande é referência em qualidade de água e abastecimento, com 80% de cobertura de rede de esgoto. Contudo, a taxa poderia ser melhor se muitas pessoas que não realizam a ligação em suas residências se conscientizassem de que isso também é causa de danos ambientais e desperdício de água.

Veja Também