Menu
19 de novembro de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega Banner Pátio Central - Natal
Campo Grande

Água boa para sonhos bonitos

Água tratada vira realidade na aldeia urbana Água Bonita que agora anseia por moradia digna

8 Nov2018Valdelice Bonifácio16h31
Vice-cacique Alexandre Arévalos não precisa mais armazenar água no quintal (Foto: Marco Miatelo)
  • Tawany Francielle Gonçalves dos Santos, de 7 anos: 'Ficou bem melhor com água boa na torneira'
  • Vice-cacique Alexandre Arévalos não precisa mais armazenar água no quintal (Foto: Marco Miatelo)
  • Elizabete Almeida, esposa de Alexandre, feliz com a facilidade da água encanada (Foto: Marco Miatelo)
  • Vice-cacique agora espera pela casa nova (Foto: Marco Miatelo)
  • Ana Mikaele, filha da dona de casa Ana Paula, agora toma água tratada (Foto: Marco Miatelo)
  • Isac Porto, outro filho de Ana Paula, também se esbalda na torneira (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • Planta das casas que serão construídas em aldeia urbana pelos próprios indígenas (Foto: Divulgação)
  • (Foto: Divulgação)
  • (Foto: Divulgação)
  • (Foto: Divulgação)
  • (Foto: Divulgação)
  • (Foto: Divulgação)
  • (Foto: Divulgação)

O sonho acalentado durante anos agora é uma realidade cristalina na Aldeia Indígena Urbana Água Bonita, localizada no Bairro Tarsila do Amaral, em Campo Grande. A água tratada chegou às casas para alegria dos moradores. A realidade da aldeia que ansiava por água encanada foi retratada em matéria do Diário Digital veiculada em 31 de Outubro de 2017. Um ano depois, a reportagem voltou ao local e encontrou famílias aliviadas pelo fim do sufoco enfrentado no passado recente. Aliás, junto com a água, um tempo de progresso está chegando à aldeia. Uma parceria entre prefeitura e governo do Estado vai possibilitar a construção de casas de alvenaria para substituir as moradias improvisadas.

Entrevistada na matéria do ano passado, a dona de casa Ana Paula Porto, de 31 anos, relata que a vida mudou e muito. Mãe de  quatro fihos, ela já chegou a ficar cinco dias sem água. "Hoje, a situação é outra, a água chega abundante na torneira e não preciso mais armazenar", conta. Além da praticidade para fazer o serviço de casa, o motivo maior da felicidade de Ana Paula é a saúde das crianças. "Meus filhos tinham diarreia, febre e infecções. E o problema era a água sem tratamento que consumíamos. Sei disso porque quando íamos para a casa da minha mãe, eles melhoravam. Agora, como nossa água também é boa, não ficam mais doentes", detalha.

Antes da regularização, as famílias obtinham água através de um poço artesiano ou direto no córrego que passa nas proximidades. Como foi mencionado, o consumo da água sem o devido tratamento colocava a saúde dos moradores em risco. Contudo, a demora para a instalação da rede não se deve à má-vontade da concessionária Águas Guariroba, mas sim a resistências dos próprios indígenas, já que alguns preferiam continuar consumindo a água do córrego sem pagar nada por isso.A rede de abastecimento de água foi inaugurada oficialmente em agosto deste ano, após cerca de 10 anos de espera. A regularização do fornecimento do líquido só foi possível depois de tratativas com a Águas Guariroba que envolveu ainda Assembleia Legislativa, Ministério Público Federal (MPF),  Defensoria Pública,  Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), entre outros.

O projeto ganhou força em 2017 quando a Agência Estadual de Habitação (Agehab) doou a área denominada “Chácara Água Bonita”, onde vivem as famílias, à Associação de Moradores da Aldeia Indígena Água Bonita, o que demandou a aprovação de emenda pela Assembleia Legislativa.

Bom acordo - O acordo firmado com a concessinária foi elogiado por todos os moradores abordados pelo Diário Digital e, inclusive, pelo vice-cacique Alexandre Arévalos. "O acerto foi muito bom para a comunidade. Temos direito a 20 mil litros de água pelo valor de R$ 18 por mês. Se excedermos o limite, a gente paga o que passar", explica. O vice-cacique apareceu na matéria de 2017 detalhando sua dura rotina para manter água em casa. Ele armazenava o líquido em recipientes no quintal em quantidade suficiente para a própria residência e para dividir com vizinhos se fosse preciso.  Desta vez, sorridente, ele mostrou a água jorrando das mangueiras. "É outra vida."Conforme a concessionária, a aldeia se divide em duas partes, a antiga (casas de alvenaria) e a nova (ocupação parte de baixo). A parte antiga da aldeia, com 68 ligações, já possuía rede de água, mas essa rede foi construída passando por baixo das casas. Então a Águas Guariroba executou uma rede nova e instalou cavaletes para todas essas famílias. Ao todo, foram executadas na aldeia 218 ligações e instalados cerca de dois mil metros de rede de abastecimento.

A concessionária também executou 15 ligações para atender as hortas da comunidade, neste caso a água será fornecida gratuitamente. A horta comunitária, assunto também abordado na reportagem do ano passado, continua parada. "Perdemos muita verdura neste ano. Precisamos nos organizar novamente para fazer um plantio que compense", explica o vice-cacique.

Muito ainda precisa ser organizado na aldeia que está em fase de mudanças, mas o certo é que o hidrômetro na frente das casas virou um símbolo de que a sede de dignidade está sendo saciada. Na residência de Taína Gonçalves, de 21 anos, o equipamento está protegido por uma casinha feita artesalmente em madeira e vidro. "Isso é para as crianças não mexerem e ninguém danificar", revela. "Nossa situação era bem complicada antes da água encanada chegar. Agora, pra felicidade ficar completa só falta a casa nova", diz.A construção das casas é assunto de entrevista em vídeo concedida pelo diretor-presidente da Fundação Municipal Social do Trabalho (Funsat) Cleiton Freitas Franco. Em parceria com a Agência Estadual de Habitação (Agehab), a Funsat está capacitando os próprios indígenas para construírem as moradias na comunidade. Cinquenta indígenas entre homens e mulheres participam do curso. Além do treinamento, eles recebem almoço, salários e cestas básicas. Ao todo, serão edificadas 80 moradias. Assista abaixo.

Fundada em 2001, a aldeia reúne indígenas de várias etnias como Guarani-Kaiowá, Terena, Kadiwéu e Kinikinau. Na época da fundação, foram entregues 60 unidades habitacionais e, segundo indígenas, o Poder Público teria prometido mais 60, porém, os anos passaram sem que a promessa fosse cumprida. 

Agora, as moradias surgirão da parceria entre o município e o Estado. A construção é financiada pela Agehab com ajuda do governo federal. Em nota, a Agência de Habitação informou que as casas terão 42,56 metros quadrados com dois quartos, sala, cozinha, banheiro, circulação e área de serviço coberta. O valor de cada unidade é de R$ 39,9 mil. As famílias pagarão o valor de R$ 382,00 por ano.

Veja Também

Ninguém acerta a Mega-Sena e prêmio acumula
MP aciona Justiça para que loteamento tenha estrutura adequada
Pessoas que lutam contra o racismo receberão comenda na ALMS
Medida Provisória redistribui arrecadação de loterias no Brasil
Região sul do Estado terá queda de temperatura
Associação Médica critica 'retaliação' cubana ao Mais Médicos
EUA elogiam postura de Bolsonaro na questão do Mais Médicos
Laboratório de Zoologia adquire réplicas de espécies pré-históricas
Simpósio vai reunir 17 renomados profissionais da Saúde
Tribunal decreta luto pela morte de desembargador