Campo Grande •21 de Fevereiro de 2017  • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Banner Governo do Estado - Campanha IPVA

Valdelice Bonifácio | Terça, 20 de Setembro de 2016 - 14h00Agepen se solidariza com família de moça assassinada e defende concurso de MissVitória de jovem que matou manicure no Miss Primavera gerou polêmica

(Foto: Divulgação/Agepen)

Após a repercussão do concurso que escolheu a detenta Gabriela Santos Antunes, 22 anos, a Miss Primavera 2016, a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) divulgou nota na qual se solidariza com a família da vítima morta pela vencedora e defende o evento. A disputa foi realizada em 15 de setembro no Presídio Irmã Irma Zorzi, em Campo Grande,  e desde então tem gerado polêmica principalmente entre as famílias da assassina e da vítima.

Conforme as investigações da Polícia Civil, Gabriela teria matado a manicure Jeniffer Nayara em um crime premeditado no dia 15 de janeiro, na Capital. O motivo seria ciúmes, pois Gabriela desconfiava de um relacionamento de Jeniffer com seu marido, o que não ficou confirmado nas apurações do caso. Jeniffer foi assassinada a tiro por Gabriela que a levou para conversar na região do Céuzinho e, na sequencia, a vítima despencou de 20 metros de altura.

A suspeita, após um mês foragida, se entregou à polícia em 15 de fevereiro e desde então está presa. “A Agepen, a direção do presídio feminino e os responsáveis pela organização do concurso compreendem e se solidarizam com a dor da família da vítima morta pela vencedora do concurso e destaca que a intenção do Miss Primavera é a melhor possível em seus 14 anos de existência”, diz a Agepen.

Conforme a agência, o evento não envolve apenas o desfile, nem definir quem é bonita. “É um trabalho conjunto e positivo, em que as reeducandas, servidoras e colaboradores se esforçam para sua realização; também é uma forma de integrar a sociedade em prol da reinserção social, já que a realização ocorre totalmente com apoio de parceiros e voluntários, sem investimentos públicos.”

Na mesma nota, a Agepen explica que o concurso é aberto a todas as internas que, no momento, não estão respondendo ou em cumprimento de sanção por indisciplina, independente do crime cometido, tendo em vista que a pena é apenas de cerceamento da liberdade e não se pode excluir nenhuma reeducanda, pois seria uma forma de discriminação, o que não pode ocorrer aos olhos da lei.

Mães – Em mensagens encaminhadas à TV MS Record por meio de whatsapp, as respectivas mães desabafaram sobre o concurso. “Estou revoltada (...) assassinos têm regalia e vida boa dentro de presídio. Quem perde é só a família de quem morreu. Esses idiotas inventaram essa palhaçada de miss detento, por que assassinaram a filha deles. Ela é miss sim, dragão e assassina. Eles não tem o mínimo de respeito com a família. Faz oito meses que minha filha morreu”, disse Lucimar Guilhermete, mãe de Jeniffer.

Já a mãe de Gabriela reagiu às críticas à escolha da filha. “Minha filha está pagando pelo erro dela. As pessoas poderiam respeitar a minha dor? Enfim são duas famílias destruídas”, disse a mãe da jovem presa.

Concurso - Além de Gabriela Antunes, o concurso consagrou também Juliana Keli como Miss Simpatia e Adelaine Silva Miss Elegância. Com o resultado, Gabriela representará o estabelecimento da Capital, no concurso estadual, previsto para novembro e que reunirá representantes de todos os presídios femininos, de regime fechado, de Mato Grosso do Sul.

Confira na íntegra a nota divulgada pela Agepen:

O Concurso Miss Primavera do Estabelecimento Penal Feminino Irmã Irma Zorzi, assim como das demais unidades prisionais femininas do Estado, tem por objetivo trabalhar a ressocialização, através do fortalecimento da autoestima da mulher em situação de encarceramento. Nenhuma pena de prisão no Brasil é eterna, indivíduos que hoje estão presos irão retornar ao convívio em sociedade em algum momento. Por isso, são necessárias várias ações de promoção social.

O concurso é aberto a todas as internas que, no momento, não estão respondendo ou em cumprimento de sanção por indisciplina, independente do crime cometido, tendo em vista que a pena é apenas de cerceamento da liberdade e não se pode excluir nenhuma reeducanda, pois seria uma forma de discriminação, o que não pode ocorrer aos olhos da lei.

A Agepen, a direção do presídio feminino e os responsáveis pela organização do concurso compreendem e se solidarizam com a dor da família da vítima morta pela vencedora do concurso e destaca que a intenção do Miss Primavera é a melhor possível em seus 14 anos de existência. É um evento que não envolve apenas o desfile, nem definir quem é bonita, é um trabalho conjunto e positivo, em que as reeducandas, servidoras e colaboradores se esforçam para sua realização; também é uma forma de integrar a sociedade em prol da reinserção social, já que a realização ocorre totalmente com apoio de parceiros e voluntários, sem investimentos públicos.

Veja Também
Cem mil preservativos são distribuídos em campanha na Capital
Drogaria e Hospital Evangélico doam mamadeiras para Santa Casa
Ministro Padilha é internado após apresentar problemas urinários
Balneário de Três Lagoas estará aberto durante o Carnaval
Pesca ficará fechada em todos os rios do Estado durante o Carnaval
Energisa alerta sobre cuidados com rede elétrica durante Carnaval
TJ garante indenização a professores por atividades extraclasse
Ponto facultativo garante 'feriadão' a servidores da Capital
Mães denunciam caos em unidade de saúde da Capital
Governo inicia debate sobre reforma da previdência
Ótica Diniz
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - cirurgia.net
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento