Menu
26 de agosto de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Interior

Ação leva consultas a moradores das aldeias Jaguapiru e Bororó

Foram prestados cerca de 1.100 atendimentos gratuitos em saúde

11 Ago2019Da redação14h41

Com apoio do Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (HU-UFGD), cerca de 1.100 atendimentos gratuitos em saúde foram realizados na Reserva Indígena de Dourados. A ação, organizada e executada pela Associação Médicos da Floresta em parceria com a Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI), contou com a presença dos residentes do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde, cuja área de concentração é Saúde Indígena.

A Ação Atendimento Clínico - Dourados levou às aldeias Jaguapiru e Bororó assistência em oftalmologia, clínica médica e odontologia, incluindo a realização de exames, indicação de cirurgias e execução de procedimentos odontológicos diversos. O grupo de residentes do HU-UFGD ficou responsável por fazer triagem, cadastro de pacientes, preenchimento de prontuários e orientações gerais de prevenção a doenças crônicas como hipertensão e diabetes.

Ao todo, 10 residentes integraram a ação, sendo três enfermeiros, três psicólogos e quatro nutricionistas que, em função da vivência já obtida durante o programa de residência possuem familiaridade com o ambiente e comunicação humanizada com os pacientes indígenas.

Além disso, o Núcleo de Saúde Indígena do hospital auxiliou na logística das atividades, fornecendo 40 refeições diárias aos integrantes da equipe assistencial e intermediando, junto à UFGD, a disponibilização de micro-ônibus e motorista para o transporte dos profissionais até a Vila Olímpica na Aldeia Bororó, onde foram realizadas as atividades. Também atuou como parceiro o Rotary Club Guaicurus, que doou lanches aos pacientes.

Ação Atendimento Clínico - Entidade civil sem fins lucrativos fundada em 2016, a Associação Médicos da Floresta é composta por médicos e gestores com experiência na prestação de serviços voluntários na área da saúde em comunidades indígenas. Conta com uma equipe multidisciplinar de voluntários, incluindo profissionais de saúde, engenharia, administração e direito.

Para 2019, o grupo planejou a realização de três ações, sendo duas em Roraima e uma em Mato Grosso do Sul, cujos atendimentos foram finalizados em Dourados. Entre as atividades executadas: pelo menos 900 consultas oftalmológicas e 200 consultas odontológicas – que incluíram 700 procedimentos em exodontia, cirurgia parendodôntica, endodontia, reconstrução, restauração e próteses dentárias.

Pelos atendimentos clínicos em oftalmologia, foi possível identificar pacientes cirúrgicos de catarata e pterígio, que já saíram da ação com os exames complementares realizados, incluindo o cálculo da lente intraocular que será inserida na cirurgia de catarata. Está sendo estudada, também, a possibilidade de um retorno futuro da equipe para que os procedimentos cirúrgicos sejam efetuados.

Além da equipe da Associação e dos residentes do HU-UFGD, profissionais das mais diversas áreas do Distrito Sanitário Especial Indígena de Mato Grosso do Sul (DSEI/MS) no Polo Base Dourados integraram a ação, por meio do Programa SESAI em Ação. Ao todo, aproximadamente 70 pessoas trabalharam nas atividades.

Veja Também

Câmara aprova projeto que amplia posse de arma em propriedade rural
Brasil tem superlotação carcerária de 166% e 1,5 mil mortes em presídios
Brasil conclui testes de soro inédito para picadas múltiplas de abelha
Até 2030, acidentes de trânsito serão a sétima maior causa de morte
Aprovado projeto que exige de agressor ressarcimento ao SUS
Bebê recebe nome do fundador de Campo Grande
Projeto define a quem idoso deve comprovar idade para ter passagem gratuita
Projeto facilita atendimento a pessoas com deficiência em órgãos públicos
Expedição revela novas imagens de deterioração do Titanic
Moro autoriza envio da Força Nacional para combater desmatamento