Campo Grande •20 de Julho de 2017  • Ano 6
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner SEGOV - Campanha Obras

Valdelice Bonifácio | Sexta, 17 de Março de 2017 - 16h00Acampamento termina, mas protestos continuamManifestantes cumprem decisão judicial e desocupam canteiro em frente ao Damha

  
Ato de fim do acampamento teve direito a discursos e até queima de fogos (Foto: Marco Miatelo)
  • Ato de fim do acampamento teve direito a discursos e até queima de fogos
  • Lideranças sindicais e políticas discursaram em frente ao residencial Damha II (Foto: Marco Miatelo)
  • Deputado Pedro Kemp, do PT, diz que proposta do governo de Reforma da Previdência é nefasta (Foto: Marco Miatelo)
  • Militante prepara pipoca para distribuir aos manifestantes (Foto: Marco Miatelo)
  • Elvio Duarte, coordenador do Comitê Estadual contra a Reforma da Previdência (Foto: Marco Miatelo)
  • Deputado Cabo Almi discursa em frente ao residencial Damha (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

O acampamento de manifestantes contrários à Reforma da Previdência montado em canteiro na frente do residencial de luxo Damha II, próximo à saída para Três Lagoas, em Campo Grande, está sendo levantado na tarde desta sexta-feira, dia 17 de março, cumprindo decisão judicial que determinou que a desocupação da área até às 18h. Contudo, os protestos continuam neste fim de semana, com a realização de carreata e panfletagens.

No residencial Damha II, mora o deputado federal Carlos Marun (PMDB), presidente da Comissão Especial de Reforma da Previdência, que criticou a atitude dos manifestantes, alegando que o acampamento constrangia sua família e os vizinhos. A decisão judicial que exigiu a saída dos manifestantes atende ao pedido do proprietário de um comércio localizado em frente ao residencial.

Desde que se instalaram no local, na quarta-feira passada, 15 de março, os manifestantes se espalham pelo canteiro e varandas do estabelecimento comercial que não conseguia abrir as lojas. Além de barracas, os acampados levaram para o local, um gerador de energia elétrica, uma caixa d´água, banheiros químicos e até um pequeno playground foi montado para as crianças.

Os manifestantes decidiram cumprir a ordem judicial e deixarão o local. O ato de despedida teve direito a discursos de representantes de entidades de classe e movimentos sociais de luta pela terra. Houve ainda queima de fogos. Os deputados estaduais petistas como Pedro kemp  e Cabo Almi compareceram.

Os manifestantes não criticaram a ordem judicial, pois avaliam que já obtiveram reconhecimento popular. “A gente entende que já cumpriu o nosso objetivo aqui, de chamar atenção dos parlamentares e da população. Porém, as mobilizações continuarão”, disse o coordenador do Comitê Estadual contra a Reforma da Previdência Élvio Duarte.

Agenda – Para amanhã, dia 18, está prevista uma carreata partindo da sede da Fetems (no Bairro Amambai) até o Centro da Capital ou residência de algum parlamentar federal, o que ainda será definido. Ao longo do dia, poderá haver panfletagens no Centro da Capital.

No domingo, os manifestantes esperam ser recebidos em reunião por parlamentares federais como a deputado federal Tereza Cristina (PSB) e Luiz Henrique Mandetta (DEM), ambos já foram alvos de protestos em frente suas residências.

Cada parlamentar que for visitado e se posicionar contra a Reforma da Previdência, será convidado a assinar um documento se comprometendo a votar contra a proposta do governo federal.

O Estado tem oito deputados federais e três senadores. Os mais resistentes em votar contra a proposta, conforme o movimento, são o próprio Carlos Marun e a senadora Simone Tebet (PMDB). Os demais, segundo os militantes, teriam sinalizado que podem apoiar o movimento ou que pelo menos vão avaliar as argumentações, mesmo porque não estariam plenamente de acordo com o projeto original do governo.

Saiba mais sobre a Reforma da Previdência:

•    Para conseguir uma aposentadoria de 100% do salário de benefício, o trabalhador terá que contribuir com o INSS durante 49 anos e ter idade mínima de 65 anos. A regra vale para homens e mulheres. Portanto, seu(ua) filho(a) terá que começar a contribuir aos 16 anos de idade.

•    O tempo mínimo de contribuição para se conseguir o direito à aposentadoria passa de 15 para 25 anos para homens e mulheres.

•    A proposta de Reforma da Previdência também muda a aposentadoria dos servidores públicos. A idade mínima também será de 65 anos para homens e mulheres e mínimo de 25 anos de contribuição. A alíquota de contribuição da categoria passa de 11% para 14%.

•    A aposentadoria especial dos(as) professores(as) também é alterada. Ninguém poderá aposentar com idade inferior a 55 anos e pelo menos 20 anos de contribuição.

•    Os dependentes de pensão por morte também ficam com direitos reduzidos, o cônjuge só receberá 50% do salário de benefício, e menores de 21 anos receberão 10%. As regras valem para trabalhadores do setor privado, servidores públicos e políticos.

•    O trabalhador rural perde a garantia de segurado especial e passa a contribuir com a Previdência pagando alíquota estimada de 5%. As regras da idade mínima de 65 anos para homens e mulheres e mínimo de 25 anos de contribuição também vale para a categoria.

•    A aposentadoria por invalidez só será concedida ao segurado que sofrer acidente de trabalho.

Veja Também
Conselheiros regionais se reúnem com comissão dos 118 anos da Capital
Morre Chester Bennington vocalista do Linkin Park
Em Brasília, prefeito busca investimento para drenagem e coleta seletiva
Morre Marco Aurélio Garcia, ex-assessor de Lula e Dilma
Fogo em terreno deixa moradores respirando fumaça
Oitava escola reformada por presos na Capital será entregue em agosto
Em Dourados, prefeitura efetiva programa 'Papa Pilhas'
No mês do rock, Prefeitura de Corumbá promove Pôr do Som Especial
‘Cassems Itinerante’ leva atendimento com psiquiatra e neurologista a Dourados
Quinta, 20 de Julho de 2017 - 12h15Travestis e transexuais poderão solicitar inclusão do nome social no CPF Cadastro será feito imediatamente e o nome social passará a constar no CPF, acompanhado do nome civil
Square banner notícias UCI
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
DothNews
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2017 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento