Menu
23 de janeiro de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Voleibol

Capital deve sediar Liga das Nações

Guanandizão já está sendo reformado e passa por vistorias

14 Nov2019Laureano Secundo09h03

Campo Grande voltará a receber a seleção brasileira de vôlei após 16 anos. A última vez em que o selecionado verde e amarelo esteve na Cidade Morena foi em 2004, quando derrotou Portugal pela Liga Mundial (hoje, Liga das Nações) em dois confrontos, ambos vencidos por 3 sets a zero. O Guanandizão será palco das partidas entre Brasil, Itália, Alemanha e Rússia na Liga das Nações, nos dias 19, 20 e 21 de junho de 2020.

A Federação Internacional de Voleibol (FIVB) enviará representantes para vistoria no Guanandizão no dia 28 de novembro, com o objetivo de verificar o andamento das obras. “O projeto de revitalização é bastante moderno, as obras estão em um ritmo bem acelerado e tenho certeza que, apesar de a previsão de entrega ser em abril ou maio, os dirigentes da FIVB perceberão o estágio avançado das obras e principalmente o nosso empenho em trazer de volta o Guanandizão para sediar a Liga das Nações”.

O diretor-presidente da Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul (Fundesporte), Marcelo Ferreira Miranda, esteve reunido na terça-feira (12.11), em Campo Grande, com dirigentes da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). Em vistoria, os representantes da entidade analisaram a estrutura que desenvolve a modalidade na Capital, em especial o andamento das obras de revitalização do Ginásio Poliesportivo Avelino dos Reis, o Guanandizão, que receberá uma das etapas da Liga das Nações de Voleibol Masculino 2020.

Além da inspeção, o superintendente técnico Renato D´Avila e o gerente do setor de Captação de Recursos e Responsabilidade Social da CBV, Marcos Aurélio Gonçalves, tiveram encontro com autoridades responsáveis pela administração do voleibol na capital e no Estado, e pela reforma do ginásio. D'Avila classificou a visita como positiva. “Nossa missão foi nos reunirmos com as autoridades do governo de Mato Grosso do Sul e da federação para tratarmos da forma como o convênio que vai ser firmado entre CBV e governo será conduzido”.

Para Miranda, este é um momento único na história de Mato Grosso do Sul. “Às vésperas dos Jogos Olímpicos de Tóquio, receber a seleção brasileira e essas outras potências do vôlei mundial, coloca o evento e o Estado em outro patamar. É um momento muito positivo para o esporte sul-mato-grossense”. Segundo ele, o Estado reaproximou-se da CBV em 2016. “Conseguimos trazer três etapas, em anos consecutivos, do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia – Open (CBVP Open), que há muito tempo não vinha a Campo Grande e é uma das competições mais disputadas pelos Estados”.

Veja Também

Estadual de Futebol tem início nesta quarta-feira
Decisão sobre abertura do Morenão sai até sexta-feira
Pista de Atletismo inaugura em fevereiro
Ex-ídolo do Galo é salvo por uruaios
Vistorias garantem segurança do torcedor no Morenão
Judoca de MS conquista ouro no Parapan-Americano para deficientes visuais
Escola da Capital desenvolve vôlei de praia por meio de programa da Fundesporte
Projeto em parque de Campo Grande fomenta as categorias de base do ciclismo
De olho nas Paralimpíadas, judoca de MS inicia ano em competição no Canadá
Escola da Capital desenvolve treinamento de vôlei de praia