Campo Grande • 09 de dezembro de 2016 • Ano 5
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto

Da Agência Brasil | quarta, 14 de setembro de 2016 - 18h26Atletismo brasileiro bate recorde de medalhas com 22 pódios no Rio 2016Brasil chegou na manhã desta quarta-feira a 22 medalhas sendo sete de ouro, nove de prata e seis de bronze

Foi no atletismo que o Brasil teve o maior número de medalhas aos atletas paralímpicos brasileiros
Foi no atletismo que o Brasil teve o maior número de medalhas aos atletas paralímpicos brasileiros (Foto: Daniel Zappe/Internet)

A maior delegação da história do Brasil no atletismo, com 62 atletas, já tem uma campanha histórica no Rio de Janeiro. Com o bronze de Verônica Hipólito nos 400m T38, o país chegou, na manhã desta quarta-feira (14), a 22 medalhas - sete de ouro, nove de prata e seis de bronze. O Brasil só tinha subido tantas vezes ao pódio assim nos Jogos Paralímpicos de Nova York e Stoke Mandeville, quando terminou com 21 medalhas.

Os resultados do atletismo também já superam as conquistas alcançadas em Londres: há quatro anos, o Brasil terminou em sétimo lugar no quadro de medalhas da modalidade, com sete ouros, oito pratas e três bronzes. A quatro dias do fim das competições no Engenhão, o Brasil é, por enquanto, o quarto país tanto em número de ouros (atrás de China, com 15, Grã-Bretanha, com 12 e Estados Unidos, com oito) quanto em número de medalhas conquistadas (a China tem 37, os Estados Unidos tem 24 e a Grã-Bretanha tem 23).

Desde a primeira participação do Brasil nas provas paralímpicas de atletismo, em 1984, foram, até o momento, 131 medalhas, com 39 ouros, 56 pratas e 36 bronzes. É o esporte que conferiu o maior número de medalhas aos atletas paralímpicos brasileiros. A meta do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) é que o atletismo brigue por algo entre 35 a 40 medalhas, tentando bater uma média entre 11 a 14 ouros.

Os velocistas Petrúcio Ferreira, da classe T47 (para atletas amputados), e Felipe Gomes, da classe T11 (para atletas cegos), lideram a corrida por medalhas entre os brasileiros, com um ouro e uma prata para cada. Petrúcio, que ainda disputa os 400m, venceu e estabeleceu novo recorde mundial nos 100m e ajudou a equipe do revezamento 4x100m T42-T47 a chegar à prata. As medalhas de Felipe Gomes também vieram de uma prova individual e outra coletiva: a prata, nos 100m, e o ouro no revezamento 4x100m T11-T13. Felipe pode dobrar a contagem de medalhas se chegar entre os três primeiros nos 200m e nos 400m.

O Brasil terá mais três chances de medalha nas sessões da noite desta terça-feira: com João Victor Silva, na final do arremesso de peso F37, Teresinha de Jesus correndo nos 400m T47 e o revezamento feminino 4x100 T11-T13.

Veja Também
Voo da LaMia com a seleção Argentina tinha combustível para apenas 18 minutos além do trajeto
Fundesporte premia hoje os melhores do ano no esporte
Atlético Nacional envia ofício à Conmebol agradecendo título da Chapecoense
Boliviana aguarda posição do governo brasileiro
Paratleta três-lagoense é destaque em competição nacional de Bocha Paralímpica
Chapecoense é declarada campeã da Copa Sul-Americana
Quatro maiores organizadas de São Paulo se uniram para homenagear à Chapecoense
Time feminino e masculino de vôlei da UCDB é campeão da VIII Copa Cidade de
Meia maratona de Bonito acontece neste final de semana
Michel Temer está em Chapecó para homenagem às vítimas
square noticias uci
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothShop
Rec banner - cirurgia.net
DothNews
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2016 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento