Menu
27 de janeiro de 2020 • Ano 9
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
Cultura

MIS exibe animação japonesa

Na Itália entre as duas guerras, caçadores de prêmios ganham a vida a lutar contra os piratas do ar que aterrorizam o Mar Adriático

5 Set2019Da redação10h40


O Museu da Imagem e do Som (MIS-MS), em parceria com o Cineclube Árvore-Ser e curadoria de Marianny Nantes, exibe nesta quinta-feira, dia 5 de setembro, às 19 horas, o filme “Porco Rosso”, animação japonesa de 1992. A entrada, como sempre, é de graça.

Na Itália entre as duas guerras, caçadores de prêmios ganham a vida a lutar contra os piratas do ar que aterrorizam o Mar Adriático. Um deles é Marco Porcellino, mais conhecido por Porco Rosso. Gina, cantora e proprietária do Hotel Adriano, situado numa pequena ilha, não desiste de tentar convencê-lo de que vale a pena procurar a humanidade, mas Porco resiste a falar do passado e detesta o único vestígio desses tempos – uma fotografia que mostra o seu rosto antes de assumir os agora característicos contornos porcinos.

É baseado em “Hikotei Jidai” (“A Era do Barco Voador”), um mangá de três partes em aquarela de Hayau Miyazaki, que assina a direção do filme. A duração é de 94 minutos e a classificação é Livre.

Apesar da leveza aparente do filme, que foi originalmente concebido para relaxar as equipes do Studio Ghibli, Porco Rosso é uma acusação contra a guerra e seus absurdos, abordando temas como o mito do herói.

O Cineclube Árvore-ser, que é parceiro do MIS nesta exibição, é um projeto independente de estudantes universitários, que surgiu em 2016 com o objetivo de proporcionar o acesso à cultura na cidade e provocar o debate sobre temas ligados à filosofia e educação.

O início das atividades do Árvore-ser foi com o Café Filosófico na Casa Fernando Pessoa, no bairro Villas Boas, em abril de 2016, como ideia do estudante de Filosofia da UFMS, Alyson Ladislau. A parceria com o MIS iniciou-se no ano passado, com a exibição de Blade Runner.

Um dos integrantes do Cineclube, o estudante de Arquitetura da Uniderp, Douglas Setorowicz, explica que o nome do grupo surgiu a partir da obra de Manoel de Barros. “Arvore-ser é a pessoa que tenta evoluir a partir disso, do estado de ser árvore. Visamos trazer pessoas novas para, com o objeto do filme, tratar da nossa realidade, para trazer algum tipo de debate para refletir sobre algumas situações da nossa realidade. A gente tenta fazer essa interação das pessoas com a cultura e a educação”.

Veja Também

“Fulano de tal” apresenta peça gratuita da capital
Janeiro termina com MBP, blues e bailão no happy no Sesc Morada dos Baís
Estrela do Sul recebe shows musicais do Arte no Meu Bairro
Inscrições abertas até sexta para Colônia de Férias
Whatsapp foi o app mais baixado no Brasil e no mundo em 2019
Estão abertas as inscrições para Oficinas de Férias no MARCO
Obra de Shakespeare será retratada em teatro infantil gratuito na Capital
Corumbá divulga inscrições de concursos do Carnaval
UCI Cinemas abre venda antecipada do Super Bowl LIV
“Jumanji: Próxima Fase” invade as salas do UCI Cinemas