Menu
27 de maio de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Mega banner ALMS - AUDIÊNCIA PÚBLICA
Crise

Comércio apresenta queda de receita

Análise foi feita pela Fecomércio-MS e traz preocupações para o setor

23 Mai2017Laureano Secundo07h37

As análises conjunturais do comércio, serviços e de alguns segmentos do turismo de Mato Grosso do Sul referentes a março apontam retração de receita, indicativos que trazem cautela, no que diz respeito à perspectiva de retomada do crescimento da economia. Os percentuais de queda foram respectivamente de 6,20% e de 10,80%.

A análise conjuntural é feita sistematicamente pelo IPF-MS (Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio-MS). No Estado, o segmento de serviços apresentou uma queda na receita nominal e no volume de vendas ainda superior que a aquelas registradas para o comércio de bens e na comparação a nível Brasil.

“Esse cenário traz consigo preocupações, uma vez que desde o ano passado o segmento não demonstrou indícios mais concretos de uma recuperação”, observa o presidente do IPF-MS, Edison Araújo. No entanto, cabe ressaltar um comportamento diferenciado aos serviços relacionados à beleza. Embora alguns estabelecimentos tenham apresentado queda, trata-se de uma prestação de serviço estratégica e que se ofertada com diferenciais, poderá promover uma recuperação. Tanto é que para algumas empresas de cosméticos de Campo Grande, há indícios de que já houve uma melhoria em relação ao ano passado.

Na receita do comércio, conforme dados do IBGE (mar./2017) houve queda de 1% na receita nominal, ainda em menor proporção na comparação ao indicador brasileiro. Em termos reais, esse impacto pode ter sido ainda pior, quando desconsiderado o leve aumento inflacionário para o período. Somente para o IPCA foi registrado uma variação de 0,14% (IBGE, mar./2017). No que tange ao volume de vendas o percentual de queda foi de 2,20% (IBGE, mar./2017).

De acordo com a sondagem realizada pelo IPF/MS (maio/2017) com os empresários dos municípios de Campo Grande, Naviraí e Dourados, corroborou-se com o sentido da expressão instabilidade, pois se percebeu comportamentos diferenciados sobre os resultados até abril de 2017.

Durante o mês de março de 2017, alguns segmentos do turismo apresentaram uma queda no IPCA, tais como aqueles relacionados a excursão, boate e danceteria, esse mesmo comportamento foi observado para abril, tanto no Mato Grosso do Sul, quanto no Brasil.

As atividades turísticas tendem a reduzir durante os meses de março e abril, prevalecendo o turismo de negócios. Fato que pode justificar em partes o aumento de 16,86% do número de desembarques no Aeroporto de Campo Grande e de 6,33% no Aeroporto de Corumbá, em março deste ano. Apesar desses indicadores, os desembarques em Campo Grande e Corumbá, ainda são menores na comparação a 2016.

Veja Também