Menu
23 de abril de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Super banner TCE - Campanha Ouvidoria
Economia

Tradicional mercado fecha e não paga funcionários

Trabalhadores demitidos já estão acionando a Justiça para tentar receber seus direitos

26 Dez2016Da redação15h40
(Foto: Marco Miatelo)
  • Comércio tradicional fechou as portas na sexta-feira passada em razão de dificuldades financeiras
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)
  • (Foto: Marco Miatelo)

Tradicional comércio de frutas e verduras que funcionava há 35 anos em Campo Grande, fechou as portas das duas unidades e os 45 funcionários dispensados estão reclamando salários, 13º e acertos trabalhistas que não receberam. O caso está sendo acompanhado pelo Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Grande que já acionou a Justiça Trabalhista.

O último dia de expediente na matriz foi na sexta-feira passada, 23 de dezembro. “Não tem mais comércio”, teria dito a proprietária, desencadeando uma situação tensa no local. Houve discussões. Funcionários se desesperaram com a falta de respostas precisas sobre o pagamento dos salários e direitos.

“Na sexta-feira, teve gente que pegou um vale de R$ 100,00. Outros pegaram frutas e verduras que ela (patroa) deixou pegar. Eu não peguei nada porque não tinha mais nada (...) Teve gente que foi lá reclamar, teve discussões foi horrível”, relatou uma funcionária.

A proprietária do comércio pediu aos funcionários que procurassem o escritório de contabilidade da empresa para encerrar os contratos trabalhistas e receber salários e 13º.

Contudo, ao chegarem ao local, os trabalhadores descobriram que o escritório sequer havia sido informado sobre o fechamento das lojas. Não havia qualquer documento para assinar e muito menos dinheiro para ser entregue aos funcionários.

Alegando dificuldades financeiras, a empresa começou as demissões no mês passado quando fechou a primeira unidade e não pagou os trabalhadores. “O sindicato já move ações trabalhistas. Entremos na Justiça com pedido de tutela antecipada de FGTS e seguro desemprego em favor desse primeiro grupo de demitidos em novembro, cerca de 30 pessoas”, relata o diretor de Comunicação do Sindicato André Luiz Garcia.  

Durante muitos anos, o comércio foi uma referência na venda de produtos diferenciados, frescos e de boa qualidade.  As lojas ofereceriam mercadorias diversas, mas eram especializadas no segmento de hortifruti, que representava 40% do faturamento da empresa. No auge das vendas, as lojas chegaram a ter mais de 12 mil itens disponíveis.

Porém, neste ano, as dificuldades apareceram. Os salários estavam sendo pagos com atraso há cerca de três meses, segundo o apurado pelo sindicado laboral. A entidade pede que os funcionários dispensados procurem o sindicato para dar início à ação trabalhista. Contudo, será necessário ter paciência, pois, qualquer medida judicial só será possível após 23 de janeiro quando termina o recesso do Poder Judiciário.

O Diário Digital buscou contato com a empresa, mas ninguém atendeu aos telefones. Advogados da empresa também não foram localizados nos telefones celulares.

Veja Também

Governo pode adiar reajuste dos servidores, diz ministro da Fazenda
Brasil terá perda de 30% nas exportações de frango para a Europa
MS tem dois frigoríficos embargados pela Europa
Petrobras aumenta preços de combustíveis nas refinarias
MS teve recorde de exportação
Banco Central estuda criar sistema de pagamento instantâneo
Economia Confiança do empresário recua pela primeira vez após oito meses No cálculo do índice, valores abaixo de 50 pontos indicam falta de confiança do empresário
Contribuinte pode obter ajuda para declarar IR no Pátio Central
Projeto garante isenção de IR para indústrias de MS
Áreas de livre comércio em Ponta Porã e Corumbá