Menu
17 de agosto de 2018 • Ano 7
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
II Congresso de Empresas Familiares
Economia

Subemprego afeta 8,4% da população de MS

Levantamento do IBGE foi divulgado na manhã de hoje

17 Mai2018Laureano Secundo09h53

Um total de 8,4% da população economicamente ativa  de Mato Grosso do Sul  está com subemprego de acordo com números divulgados na manhã de hoje pelo levantamento do  IBGE. Esses númeroscolocam o estado entre os que têm as menores taxas de subemprego em todo país perdendo apenas para Santa Catarina que está com 6,5%.

As menores taxas foram de Santa Catarina (6,5%): Mato Grosso do Sul (8,4%), Rio Grande do Sul (8,5%) e Mato Grosso (9,3%).No primeiro trimestre de 2018, a taxa de subutilização da força de trabalho (que agrega os desocupados, os subocupados por insuficiência de horas e a força de trabalho potencial) subiu para 24,7%, o que representa 27,7 milhões de pessoas. Essa é a maiortaxa de subutilização na série histórica da PNAD Contínua, iniciada em 2012. O contingente de subutilizados também é o maior da série histórica.

Bahia (40,5%), Piauí (39,7%), Alagoas (38,2%) e Maranhão (37,4%) apresentaram as maiores taxas de subutilização e as menores taxas foram em Santa Catarina (10,8%), Rio Grande do Sul (15,5%), Mato Grosso (16,0%) e Paraná (17,6%).

taxa de desocupação do primeiro trimestre de 2018 no Brasil, divulgada em 27/04, foi de 13,1%. Em relação ao 4º trimestre de 2017, a taxa de desocupação subiu em todas as regiões: Norte (de 11,3% para 12,7%), Nordeste (de 13,8% para 15,9%, as maiores entre as cinco regiões), Sudeste (de 12,6% para 13,8%), Sul (de 7,7% para 8,4%) e Centro-Oeste (de 9,4% para 10,5%). Na comparação anual, a taxa recuou em todas as regiões.

No 1º trimestre de 2018, as maiores taxas de desocupação entre as unidades da federação foram: Amapá (21,5%), Bahia (17,9%), Pernambuco (17,7%), Alagoas (17,7%) e Maranhão (15,6%).

contingente de desalentados, no primeiro tri de 2018, foi de 4,6 milhões de pessoas, o maior da série histórica. No último tri de 2017, esse contingente era de 4,3 milhões de pessoas. A taxa de desalento, no primeiro tri de 2018 ficou em 4,1% da força de trabalho ampliada do Brasil, a maior da série histórica. Entre as unidades da federação, Alagoas tinha a maior taxa de desalento (17,0%) e Rio de Janeiro e Santa Catarina, a menor (0,8%, ambos).

Os menores percentuais de empregos (exceto domésticos) com carteira de trabalho assinada na iniciativa privada, estavam nas regiões Nordeste (59,7%) e Norte (62,9%) e o maior, no Sul (83,3%).Apenas o Norte apresentou expansão dessa proporção em relação ao 1º trimestre de 2017 (de 59,9% para 62,9%), enquanto as demais registraram queda.

No Norte (32,4%) e no Nordeste (29,0%) o percentual de trabalhadores por conta própria era superior ao observado nas demais regiões. Já as Regiões Sudeste (70,5%) e Centro-Oeste (70,1%) apresentaram participação maior de empregados. O material de apoio desta divulgação está na coluna à direita.

Veja Também

Para Longen, Feira do Empreendedor é ambiente ideal para quem busca inovação tecnológica
Senai apresenta a empresários oportunidade para reduzir conta de energia
Sicredi traz agência em óculos de realidade virtual durante Feira do Empreendedor 4.0
Economia Consulta pública vai simplificar operações de microcrédito Consulta terá duração aproximada de 30 dias
Nascidos em agosto já podem sacar abono salarial do PIS/Pasep
Contribuinte que está no 3º lote do IR 2018 recebe hoje restituição
Conta de luz só irá baixar com revisão de regras, diz diretor da Aneel
Está disponível saque do Pis/Pasep
7ª Black Friday Fronteira está preparada
PIS/Pasep PIS/Pasep: resgate começa amanhã para trabalhadores de todas as idades Prazo ficará aberto até 28 de setembro