Campo Grande •23 de Janeiro de 2018  • Ano 7
OrganizaçãoIvan Paes BarbosaDiretor de RedaçãoUlysses Serra Neto
Full banner Governo do Estado - Campanha Mudança - Educação

Da Agência Brasil | Segunda, 28 de Agosto de 2017 - 11h05Salários e materiais mais caros pressionam custo da construção civilLevantamento é feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas

Custo da construção acelerou este mês ao passar de uma variação de 0,22% em julho para 0,40% em agosto
Custo da construção acelerou este mês ao passar de uma variação de 0,22% em julho para 0,40% em agosto (Foto: Agência Brasil/ Tomaz Silva)

O Índice Nacional de Custo da Construção do Mercado (INCC-M) acelerou este mês ao passar de uma variação de 0,22% em julho para 0,40% em agosto. Nos últimos 12 meses, o índice acumula avanço de 4,36%. Houve aumento médio tanto de materiais, equipamentos e serviços (de 0,03% para 0,20%) quanto da mão de obra (de 0,37% para 0,56%).

O levantamento é feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV/Ibre) e foi calculado com base nos preços praticados entre 21 de julho e 20 de agosto em sete capitais: Salvador, Brasília, Belo Horizonte, Recife, Rio de Janeiro, Porto Alegre e São Paulo. Esse índice é um dos três componentes do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M).

Em relação ao grupo de materiais, equipamentos e serviços, a maior elevação ocorreu nos itens de acabamento (de 0,16% para 0,37%).Em média, os materiais e equipamentos apresentaram aumento de 0,22% ante 0,03%.

Também ficou mais caro contratar serviços que passou de 0,06% para 0,10%. Para alugar máquinas e equipamentos, as construtoras tiveram de desembolsar 0,14% acima do registrado em julho, mês em que o valor da locação tinha caído 0,9%.

Reajuste de salários

A alta do INCC-M foi influenciada ainda pela concessão de aumentos salariais no Rio de Janeiro e Porto Alegre. Das sete capitais pesquisadas, cinco indicaram alta no custo da construção.

Em Belo Horizonte, o índice teve aumento de 0,21% ante uma estabilidade em julho. No Recife, ocorreu reversão saindo de uma baixa de 0,06% para uma alta de 0,29%.

No Rio de Janeiro, foi constatada forte correção, passando de 0,53% para 2,18%. Em Porto Alegre, o índice subiu de 1,12% para 1,30% e, em São Paulo, de 0,02% para 0,05%. Já em Salvador, houve queda de 0,06% ante 0,02% e, em Brasília, o custo desacelerou (de 0,37% para 0,09%).

Veja Também
Postos de combustíveis são autuados por irregularidades na exposição de preços
Rombo da Previdência sobe para R$ 268,79 bilhões e atinge novo recorde
Devolução da taxa do lixo poderá ser solicitada a partir do dia 6
Saiba o que considerar antes de abrir um negócio
Feira  quer movimentar R$ 14 milhões
Domingo, 21 de Janeiro de 2018 - 07h00Ceará é líder em faturamento entre estados exportadores de crustáceos e peixes Em volume exportado, o Ceará ficou na terceira posição, com 4,8 mil toneladas
Sábado, 20 de Janeiro de 2018 - 17h38Sucessão familiar na Agropecuária Mais de 260 pessoas participam do Encontro Jovens do setor rural
Sábado, 20 de Janeiro de 2018 - 15h23MS teve pior ano para fechamento de empresas Quase 3.000 empresas encerraram suas atividades em 2017
Gás de cozinha mais barato
Colheita da soja começa em fevereiro
Square notícia uci
Vídeos
Últimas Notícias  
Diário Digital no Facebook
DothNews
DothShop
Rec banner - Patio central
© Copyright 2014 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
© Copyright 2018 Diário Digital. Todos os Direitos Reservados
 Plataforma Desenvolvimento