Menu
26 de agosto de 2019 • Ano 8
Diretor de RedaçãoUlysses Serra Netto
11 milhões de toneladas

Safra recorde de milho pode ser ainda maior em MS

Volume é 46,4% maior do que o colhido na safra passada com a mesma cultura

15 Ago2019Da redação20h09

O campo continua rendendo boas notícias para Mato Grosso do Sul. A safra recorde de milho deste ano – que nas previsões iniciais deveria superar 10 milhões de toneladas – pode ser ainda maior. Dados divulgados pelo Projeto SIGA/MS mostram média de 88 sacas por hectare, o que deve resultar numa colheita de 11.475 milhões de toneladas de milho. O volume é 46,4% maior do que o colhido na safra passada com a mesma cultura: 7,838 milhões de toneladas.

O SIGA/MS é o Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio criado pela Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) e mantido em parceria com a Aprosoja/MS.

Há 5 anos, o Sistema monitora lavouras com informações precisas, atualizadas e regionais colhidas por técnicos que visitam os produtores rurais. Os dados são transformados em boletins semanais que ajudam o agricultor na tomada de decisões sobre a melhor área, hora de plantio e colheita.

O fator que deve resultar na elevação do volume colhido de milho é devido o ajuste na área plantada. Até a semana anterior a soma das lavouras totalizava 1.918 milhões de hectares. Com a inclusão de novas lavouras – que somam 255 mil hectares – a área total do milho em Mato Grosso do Sul para essa safra chega a 2.173 milhões de hectares.

“Foi realizado mapeamento de uso e ocupação do solo por meio de sensoriamento remoto a partir de imagens”, relata o boletim do SIGA/MS. Desta forma ajustou-se a área e se chegou aos novos números.

A Região Norte está com quase toda a safra colhida (97%), enquanto na Região Centro a colheita já chega a 79,7% e na Região Sul, 75,9% das lavouras.

O ritmo da colheita, neste ano, está mais adiantado que nos anos anteriores. Na safra passada, nessa época do ano, pouco mais da metade das lavouras já estava colhida. O tempo bom é apontado como fator preponderante tanto para antecipação do plantio (até 15 de março 90% das lavouras já estavam plantadas) quanto para o ritmo da colheita, tendo em vista que não chove em quase todo o Estado há 45 dias.

Outra boa notícia para os produtores rurais é uma ligeira valorização no preço médio da saca de 60 quilos do milho, de 0,34% entre o dia 5 a 12 de agosto, encerrando o período cotado a R$ 73,00. Apenas em Campo Grande houve retração no preço (-1,37%). Em Caarapó e Dourados a saca do milho estava cotada a R$ 74,00 no dia 12, melhor preço do Estado.

(Com informações da Semagro)

 

Veja Também

Arrecadação mostra sinais de recuperação gradual da economia
Caixa estuda criar crédito imobiliário com juros prefixados
Ministro de Bolsonaro encerra encontro
Sicredi disponibiliza financiamento de veículo em aplicativo
Governador abre Reunião por Bioceânica
Aneel reduz tarifa de energia em cinco cidades de MS
Vice-presidente da Fecomércio assume vaga na Câmara Brasileira de Serviços
Em MS, apenas 36% dos donos de negócios contribuem para previdência
Economia opera abaixo da capacidade em todo o Brasil,
MS tem a 4ª menor taxa de desocupação